Follow by Email

sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

ELEMENTOS - DO (ARTE MARCIAL BRASILEIRA)

Elementos Do

ELEMENTOS DO, como tecnicas policiais e defesa pessoal é um excelente meio para combate a violência. Por isso, discutiremos baseados sempre na realidade vivida por profissionais de segurança Publica quanto privada, nos aspectos legais de uso da força, com tecnicas simples e eficazes de abordagens táticas e defesas pessoal.

 

Estilo: Elementos Do, foi desenvolvido, com propósito de tornar mais seguro e eficiente o dia-a-dia de todos os profissionais de segurança e proporcionar ao cidadão um treinamento eficaz de defesa pessoal contra a violência urbana.

Objetivos :
As aulas ministradas por nossos instrutores oferecem aos agentes de segurança a capacidade de controlar infratores, com imobilizações rápidas e eficientes em abordagens de pessoas sob efeitos de entorpecente e/ou com distúrbios mentais que venham a reagir à prisão.



Ao ministrar cursos na área de segurança, especificamente nas áreas militares e policiais, observei a necessidade de desenvolver tecnicas específicas, simples e eficientes, com a intenção de preparar os agentes da segurança, tanto pública como privada, já que as escolas por onde passei eram restritas somente ao esporte, por uma razão lógica que seria preservar seus atletas ou adeptos direcionados ao esporte e/ou lazer. 
Concluindo que muitos estilos marciais ou lutas contemporâneas não levam em consideração a realidade profissional desses agentes que muitas vezes com heroísmo lutam pela segurança publica ou de seus clientes arriscando suas vidas para oferecer-lhes proteção, tanto aos mesmos como aos seus patrimônios, cultural e financeiro. 
Se faz necessário capacitá-los profissionalmente de forma adequada as realidades, das ruas, violentas e inesperadas do mundo em que vivemos hoje, por isso o idealizador Mestre SAMPAIO, 7º DAN, Fundador do método e estilo: Elementos-DO, buscou e está resgatando a essência das artes marciais, com técnicas simples e objetivas com o propósito de diminuir o tempo e o espaço em suas execuções, dando enorme contribuição para estes verdadeiros heróis anônimos que si dão e arriscam suas vidas no que fazem. 

COMENTÁRIOS

Trabalho a oito anos como advogado da Polícia Militar do Estado de Roraima; conheci o Mestre Sampaio neste entremeio e tive a oportunidade e a honra de ouvir e aprender, por suas verberações, sobre essa bela e milenar Arte Marcial. 
O Mestre Sampaio é detentor de um dom inefável de perceber sutilezas e vislumbrar detalhes da arte de Defesa Pessoal, entre outras, como também, aperfeiçoá-las e enriquecê-los, transformando-os numa arte simples e eficiente, criando assim um novo estilo refinado e prático, isso enaltecendo toda a essência dos princípios desta antiga e admirável arte. 
Dr. Ivo Calixto 
Advogado – com Ius Postuland. 
Pós-graduado em: 
Direito Administrativo 
Direito Penal Militar 
Direito Processual Militar 
Especialização em Direito Disciplinar Militar 
INSTITUIÇÕES MINISTRADAS POR NOSSOS INSTRUTORES: 
Grupo de Ações Táticas Especiais – GATE; Força Tática - FT; POLICIA MILITAR; POLICIA CIVIL; Sindicato dos Policiais Civis – SINDPOL; POLICIA RODOVIARIA FEDERAL; PRF; POLICIA DO EXÉRCITO - PE, ENFANTARIA DE SELVA E GUARDA MINICIPAL. 

CURSOS MINISTRADOS POR NOSSOS INSTRUTORES:
DEFESA PESSOAL URBANA; TECNICAS DE IMOBILIZAÇÕES TÁTICAS; SILENCIAMENTO DE SENTINELA; RETIRA DE SUSPEITO DE VEÍCULO; 


EQUIPE DE INSTRUTORES: Mestre SAM PAIO Faixa Preta 7º DAN: Criador e instituidor do Estilo de Arte Marcial Elementos-DO, reconhecido pela Federação Roraimense de Artes Marciais (FERAM) e posteriormente pela Confederação Brasileira de Cultura e Artes Marciais (CBMA). Com mais de 22 anos dedicados as artes marciais que o levaram a praticar e estudar diversas modalidades marciais alem de Especialização em Defesa Pessoal; Perito em Combate com Faca. Onde tem como mestres homens de princípios renomados, porem entre tantos, o que mais si destaca é aquele que, subsistindo em forma de Deus, não considerou ser igual a Deus e si entregou por todos os homens JESUS. 

Instrutor: SUB. TEN. PM. SALDANHA
Qualificação Profissional; Faixa Preta 3º DAN Elementos-DO Faixa Preta 1º DAN NINJUTSU, durante 15 anos interruptos na POLICIA MILITAR e por varias vezes instrutor da ACADEMIA DE POLICIA INTEGRADA (API), onde ministrou cursos para todas as Forças de Segurança do Estado de Roraima. Atuou como chefe de equipe de segurança de dois governadores do Estado (NEUDO CAMPO e FLAMARION PORTELLA), no período de nove anos. Além de segurança do COMANDANTE GERAL DA POLICIA MILITAR DO ESTADO. Também do presidente da OAB de Roraima. 
Hoje é membro do Grupo de Operações Especiais (GATE) por 10 anos, onde também já esteve responsável pelo Comando. Freqüentou várias e importantes escolas, entre elas, SWAT, ITEES, HK. AMERICANAS.

ELEMENTOS DO UMA ARTE MARCIAL BRASILEIRA




Mestre SAMPAIO, Começou a difundir em 1999 o bem sucedido Estilo Elementos-DO de combate e defesa pessoal, formando o primeiro faixa preta em 2005. No entanto em 2009 foi o ano em que saiu do anonimato para o reconhecimento no Ministério do Esporte tornando assim um estilo de direito. Elevando seu criador Sebastião Cavalcante Sampaio ao nível de 7⁰ Dan, reconhecendo-o como Mestre e fundador do Estilo. Sendo assim o único representante oficial no Brasil e/ou mundo.

Todas as academias que ministram oficialmente Elementos-DO estão sob a supervisão direta do Mestre Sampaio, assim como os exames de mudança de graduações “faixas” são feitos diretamente com ele, o que garante a qualidade vigiada de perto pelo mestre. Por isso lembre-se, quando você quiser praticar o Estilo, confira se a academia escolhida está cadastrada no site da FERAM.
Elementos-DO, cuja tradução literária é, “caminho dos elementos naturais” é uma arte marcial brasileira, eficiente, inovadora que consiste na importância da harmonia do ser e a ordem natural dos elementos. Seu diferencial está em movimentos simples e traumáticos que si estende até o uso de utensílios cotidiano como, revista, caneta, entre outros. Aproximando assim seus alunos do combate real.

Um pensamento: 
A condição necessária para alcançar um bom nível é a compreensão que a tecnica é mutável e que o caminho mais curto é a naturalidade dos movimentos.
“Mestre Sampaio”


Passemos a enxergar as Artes Marciais com nossos próprios olhos ao invés de vê-las através de professores que apreciam estudantes pelo beneficio material. Na pratica marcial é de fundamental o exercício da integridade, cordialidade e amizade, tanto do mestre quanto do discípulo, e não por controle de idéias.
Ser mestre é ajudar a desenvolver o discípulo na investigação da verdade com liberdade e não instituir-lo para ser um escravo em conceitos pessoais. A essência da Arte está em abrir os olhos do coração e da intelectualidade para compreender, enxergar e sentir além dos olhos e ouvidos, para abranger a magnífica metodologia marcial.
“Mestre Sampaio”
http://www.elementosdo.blogspot.com/

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Soke Masaaki Hatsumi

 

(Atual herdeiro das 9 escolas da Bujinkan)

o Soke das nove antigas escolas (Ryuha) que compõem o sistema Bujinkan Budo Taijutsu Ninjutsu. A palavra Soke é um título, utilizado para designar um legítimo herdeiro de uma tradição passada de geração em geração para apenas uma pessoa, à qual se torna o chefe ou líder de uma família ou Clan.
Dr. Masaaki Hatsumi
Nascido em 2 de dezembro de 1931 em Nodashi, Chibaken, Japão recebeu o nome de Yoshiaki Hatsumi, posteriormente mudou seu nome para Masaaki Hatsumi.
Graduou-se na Universidade de Medicina Meiji em Tokyo como Honetsugi (Ortopedista), respeitado adepto de Seikotsu (métodos naturais de cura), dirigindo a própria clínica em sua cidade natal. Além disto, é escritor, pintor e ator.
Recebeu diversos Títulos Honoríficos nestes últimos anos, de diversos países, inclusive a Benção Apostólica de Sua Santidade o Papa João Paulo II.

Iniciou seus estudos em Artes Marciais aos sete anos de idade em Kendo e Kenjutsu, posteriormente Karate e Judo. Enquanto cursava a Universidade recebeu 4o Dan de Judô, logo o convidaram para ensinar soldados americanos em uma base militar. Observou que os soldados sendo grandes e fortes aprendiam com facilidade o que se levariam anos para aprender. Aos 20 anos de idade Hatsumi fez uma auto-reflexão e sentiu a necessidade de procurar autenticas tradições de guerra.
Durante três anos estudou Kobujutsu Juhappan (as 18 categorias do Kobujutsu) com um professor particular de Kobudo. Além de estudar Shinden Ryu Jujutsu com Yashiro Sensei, Shindo Tenshin Ryu e Asayama Ichiden Ryu com o Mestre Ueno Takashi.
Posteriormente um de seus mestres recomendou que conhecesse o grande Mestre Toshitsugo Takamatsu. No ano de 1957, com 26 anos de idade, Hatsumi foi aceito como aluno de Takamatsu.
Duarante 15 anos, todos os finais de semana, Hatsumi fazia uma viagem de trem que durava 12 horas para a cidade de Kashiwabara, afim de estudar com seu Mestre Takamatsu.
Em
2 de Abril de 1972 com a idade de 85 anos, falece o Grande Mestre Toshitsugu Takamatsu. Anos antes, Takamatsu Sensei ortogou a Hatsumi Sensei o título de Soke das seguintes escolas:
34º Soke Togakure Ryu Ninpo
28º Soke Gyokko Ryu Kosshijutsu
28º Soke Kukishinden Ryu Happo Hikenjutsu
26º Soke Shinden Fudo Ryu Dakentaijutsu
21º Soke Gyokushin Ryu Ninpo
18º Soke Koto Ryu Koppojutsu
15º Soke Gikan Ryu Koppojutsu
17º Soke Takagi Yoshin Ryu Jutaijutsu
14º Soke Kumogakure Ryu Ninpo
Hatsumi fundou a Bujinkan Budo Taijutsu para manter vivas as 9 tradições marciais que recebeu de seu mestre Takamatsu.
É 

Escolas Ryuha

As nove tradições marciais da Bujinkan
TOGAKURE RYU NINJUTSU
Fundada por
Daisuke Nishima em meados de 1100. É a segunda mais velha escola do sistema Bujinkan, além de ser uma das melhores escolas de luta pois cobre todos os aspectos de combate. Este sistema possui também métodos secretos e armas ocultas.
GYOKKO RYU KOSHIJUTSU
Foi fundada em meados de 1100 por Tozawa Hakuunsai
. É a mais velha escola da Bujinkan. É conhecida pelo kihon happo e san shin. Koshijutsu significa “derrubar o adversário com um dedo” então sua característica é derrubar o adversário através de músculos e pontos vitais do corpo.
KUKISHINDEN RYU (happo hiken jutsu)
Foi
fundada em meados de 1300 por Izumo Kanja Yoshitero. É famosa por ter técnicas diferentes com várias armas, além de ter também no seu currículo técnicas de Amatsu Tatara (terapia japonesa).
SHINDEN FUDO RYU (dakentai jutsu)
Foi fundada por Genpachiro Temeyoshi
. O que a faz famosa são suas duras técnicas de jutai jutsu além de técnicas de dakentai jutsu. Também inclui YARI (lança), Naginata, Ono (espécie de machado gigante), o tsuchi (grande martelo de madeira), hojo jutsu (utilização da corda ) entre outras.
GYOKUSHIN RYU NINJUTSU
Foi fundada em meados de 1500 por Sasaki Goeman Teruyoshi
. Esta escola é muito pouco conhecida, mas suas características principais são a utilização de kihaku (explosão de energia) em suas técnicas, além de koppo jutsu e técnicas com kusarifundo (corrente com pesos).
KOTO RYU (koppo jutsu)
Foi fundada em meados de 1500 por Sakagami Taro kunishige
. Conhecida pelo koppo jutsu (quebramento ósseo) além também de armas ocultas.
GIKAN RYU (koppo jutsu)
Foi fundada em meados de 1500 por Uryu Hangan Gikanbo,
este ryu é caracterizado pelos kamaes difíceis e desequilibrados, e também koppo jutsu.
TAKAGI YOSHIN RYU (jutai jutsu)
Foi fundada no inicio de 1600 por Takagi Oriuemon Shigenobu
. Mais conhecida na Bujinkan como uma “Escola de guarda costas”. Ela tem técnicas rápidas e eficientes e Daishosabaki gata.
KUMOGAKURE RYU (ninjutsu)
Foi fundada em meados de 1500 por Iga Heinaizaemon Ienaga. Famosa pelo kamayari e técnicas de saltos.
Fonte: http://www.bujinkandojo.com.br/historia_soke_masaaki_hatsumi.html

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

SISTEMA DE SEGURANÇA ESPECIALIZADA - CURSOS SSE


O que é Gongkwon Yusul?

A humanidade sistematizou técnicas e habilidades em forma de artes marciais e lutas de combate para obter o melhor em pequenas e importantes batalhas desde o começo da história. Armamentos incluindo lanças e espadas foram desenvolvidas para fins marciais até que armas modernas como armas de fogo e artilharia vieram e ser inventadas.
Artes marciais que usam apenas os punhos foram desenvolvidas da sua própria maneira em preparação para uma situação onde armas não estivessem disponíveis.
Essas artes marciais também mudaram em resposta a evolução dos tempos e mudanças na sociedade. Ao contrário de armas como espadas e lanças do passado, armas modernas e científicas se tornaram universais, e a luta de combate entre cidadãos comuns tornou-se proibitiva em uma sociedade pacífica. Como resultado, as letais artes marciais que podiam determinar a vida e a morte se tornaram algo não mais relevante para os cidadãos comuns. Sob estas circunstâncias, a direção dos círculos de arte marcial foi dividida em duas grandes direções. Uma é a direção que busca a educação física social e esporte nos quais todos os homens e mulheres sem distinção de idade podem participar. A outra é a direção que mantém a força intrínseca da arte marcial intacta não interessando o quão clássica possa parecer. Gongkwon Yusul é uma arte marcial real que aceita as vantagens de ambas as direções a fim de se adaptar a situação realística das pessoas modernas.
O Gongkwon Yusul permite até mesmo técnicas cujo uso é limitado ou cuja transferência é proibida por ser considerada uma grande ameaça pelos ainda existentes círculos de artes marciais. É uma arte marcial que permite uma pessoa obter o melhor dentro de um combate com grande efetividade e eficiência, da maneira mais rápida usando como arma todas as partes do corpo e usando-as sem nenhum limite em uma situação onde armas não estão disponíveis. Estudada profundamente para incluir as dilemáticas vantagens de segurança e praticabilidade para o treinamento também busca a harmonia entre as técnicas de contato e os métodos de luta suave.
O que é mais importante no Gongkwon Yusul é usar as técnicas de contato e as habilidades de luta suave da maneira mais racional e harmoniosa possível. Não se trata de uma arte onde duas pessoas de digladiam de forma desordenada com o fim de simplesmente subjugar o outro de qualquer maneira e forma. Todos os caminhos são pensados e interpretados de forma a não se prolongar em excesso o embate. O Gongkwonyusul é uma arte marcial que pode ser traduzida de diversas formas dependendo do aprendiz e do mestre. Pode ser dura e ríspida, de forma a subjugar um adversário, ou suave o bastante para acabar com um confronto mesmo sem ter de “endurecer” as coisas. “Tudo depende da qualidade do indivíduo”.
A fluidez deve ser buscada de forma que nossas mentes possam entrar até mesmo em um estado meditativo de forma que nosso cérebro funcione de forma fluida em qualquer parte de nosso dia-a-dia. Gongkwon Yusul é um exercício para a vida.

O Espírito do Gongkwon Yusul

O Gongkwon Yusul leva em consideração que a outra pessoa sempre tem alta prioridade no treinamento todo o tempo tendo em vista as técnicas em seu conteúdo serem consideravelmente guerreiras e letais.
Especificamente, em suas várias e poderosas técnicas de luta, como ruptura de juntas e ligamentos, ou interceptando o suprimento de oxigênio da carótida, não podem ser aprendidas propriamente dentro de seu verdadeiro sentido sem uma profunda reflexão tendo a outra pessoa como o elemento mais importante, sem profunda reflexão. A unidade espiritual entre nós e a outra pessoa é a coisa mais importante porque o menor erro pode levar a um acidente muito grave. Desde cedo o praticante deve ter em mente que a arte marcial é uma ferramenta poderosa para trabalhar o espírito e o ser como um todo, mas também poderosa para lesionar e danificar, desde o seu corpo até mesmo o relacionamento do praticante com o mundo a sua volta. O companheiro de treino é o elo mais importante.
Como o Gongkwon Yusul enfatiza a herança do verdadeiro espírito de arte marcial, o conceito do “ponto perfeito” é considerado importante no uso do ataque ou técnicas de luta. Isto reflete reconhecimento da eficácia que pode ser fatal para outra pessoa, mas possui características totalmente distintas de outros esportes de combate ou técnicas ofensivas que obtém pontuação em especialmente limitadas situações. Então como é o “full point” no Gongkwon Yusul? O conceito de ponto perfeito começa e termina quando o praticante aplica um golpe “perfeito” tanto do ponto de vista plástico quanto de potência, tanto faz sendo duro ou suave. Ou seja, um golpe que se aplicado em uma pessoa poderia facilmente causar um dano tal que ela ficaria incapacitada com um único golpe.
Além disso, sobrepujar um adversário não significa mera e simplesmente o uso de força externa ou através de ofensa física indiscriminada, mas o triunfo baseia-se através de força interior que reveste realmente aqueles que possuem o espírito da arte marcial. O conceito de Eum / Yang (o qual veremos em amiúde no decorrer do curso) também vale para os praticantes de Gongkwon Yusul. Sua postura deve ser relaxada a ponto de não esboçar a intenção de ataque, mas ao mesmo tempo estar pronto para seu desferir se “full point” fulminante de forma a gerar tremenda força sem gastar sua preciosa energia em gestos ou agressividade sem necessidade.

 A Instrução em Gongkwon Yusul

Como discípulos de Gongkwon Yusul devemos:
1- Ser leais para com o país e contribuir para a paz social.
2- Obedecer à instrução e as ordens do instrutor.
3- Respeitar os idosos e proteger as crianças.
4- Nos esforçar para aprender e compreender todas as técnicas.
5- Lembrar que a força e flexibilidade, em última análise, convergem para uma entidade sólida.
6- Perseguir a unidade e pleno comprometimento no desenvolvimento do Gongkwon Yusul.

Gongkwon Yusul é totalmente independente de outras bem conhecidas artes marciais coreanas como o Taekwondo, Hapkido, Kyuk Tu Gi and Teuk Gong Mu Sul. Ele é uma arte marcial em si mesma, com características próprias.

 Grão-Mestre Kang Jun

Kang Jun, o Presidente da Korea Gongkwon Yusul Association, nasceu em 27 de maio de 1969, em Seul, Coréia do Sul.
Aos dez anos de idade começou a treinar uma arte marcial japonesa, o Hakko-Ryu Jujutsu (em coreano Pal Kwang Ryu Yu Sul), orientado pelo seu pai. Naquela época, ele estudou arte marcial sob supervisão de Grão-Mestre Ki Taek Lee, que era um amigo do pai de Gang Jun.
O Pal Kwang Ryu Yu Sul, chamado de "Hakkoryu Jujutsu" no Japão, foi ministrado no estilo Yu Sul coreano para os alunos em vez de estilo japonês. Gang treinou Pal Kwang Yu Ryu Yu Sul por cerca de quatro anos enquanto estava em seu ensino médio, na idade de 14 anos. Mais tarde ele treinou Judô e veio a se tornar mestre em Hapkido, treinando também artes modernas como o Kick Boxing e Kyuk Tu Gi e etc.
Mais tarde ele também treinou Gumdo (Kendo), Taekwondo(tendo se graduado na HSD University), Taekkyon entre outras artes coreanas e japonesas, Estudou várias teorias entre artes marciais tradicionais e estilos de combate. Após fazer as devidas distinções entre estilos tradicionais e estilos de combate, ele estabeleceu o Gongkwon Yusul em 1996, passando mais dois anos estruturando o que viria a ser o conjunto de técnicas da arte. Em 1998, sua arte marcial foi oficialmente denominada Gongkwon Yusul.
Seu entusiasmo por aprender artes marciais nunca declinou. Ele tem devotado sua vida às artes marciais

 Kang Jun e o nascimento do Gongkwon Yusul

Antes de Mestre Kang Jun abrir sua própria instituição ele adorava ensinar muitos instrutores desde que se tornou um mestre em Hapkido. Muitos artistas marciais coreanos de estilos tradicionais, desde membros juniores a adultos não mostraram muito interesse em suas novas teorias e técnicas. Mas ele acreditava que um dia o mundo conheceria seu estilo único de arte marcial.
Artistas marciais tradicionais coreanos têm um ponto fraco: eles focam muito em chutes ao invés do amplo combate.
Através de sua experiência no Judô, ele descobriu que as técnicas de Yu Sul são muito eficientes no combate moderno. Sendo assim, ele pensou no que poderia ser uma grande idéia se uma escola oferecesse tanto ataques quanto técnicas suaves de solo.
Contudo, ele não conseguiu achar em nenhum lugar na Coréia, tal combinação em uma única arte. Aos 16 anos de idade, começou a se perguntar sobre a realidade da vida, e começou a estudar suas próprias teorias de arte marcial.
Ele precisava não só de um de um sistema de técnicas desportivas, mas uma arte marcial tradicional que fosse efetiva no combate moderno. Ele pensou que seria muito importante manter ambas as teorias e conceitos e em 1996 abriu sua própria escola “Combat Style Hapkido” como um slogan e começou a ensinar seu estilo de arte marcial a seus estudantes.Suas técnicas únicas chocaram muitas pessoas.
Ainda assim, muitos coreanos tentaram essas idéias, e muitas pessoas pensaram ser um estilo de luta de rua. No entanto, aqueles que foram treinados puderam sentir suas teorias, artística marcial e técnicas tradicionais. Hoje o Gongkwon Yusul é um estilo respeitado e muito bem conhecido do povo coreano, tendo sido criadas associações ao redor do mundo, angariando o reconhecimento de arte marcial tradicional e esporte de combate.

 Logotipo

Muitos alunos de Mestre Kang Jun sugeriram o nome da arte marcial como Sistema Kang Jun. Mais tarde Mestre Kang Jun aceitou o pedido e nomeou a arte de Gongkwon Yusul. Houve um interessante episódio cercando o nome Gongkwon Yusul e sua logomarca.
Grão-mestre Kang Jun gastou muito tempo pensando em um a logomarca para o Gongkwon Yusul.
Ele começou a ponderar sobre como o logo poderia parecer bom e maravilhoso, e como passasse a mensagem e significados do Gongkwon Yusul através de sua marca, mas isso se tornou muito difícil para ele.
Grão-mestre Kang Jun ama a tradição coreana da pesca com vara e linha. Nela você senta-se nas bordas de uma lagoa ou rio, amarra algumas iscas em longa seqüência para poder pegar o peixe. Este tipo de pesca é muito tradicional na Ásia.torna-se impossível pegar peixes se não houver algum nas redondezas com isso tendo de esperar por um longo período de tempo. Durante a primavera, ele saiu para pescar em um reservatório próximo a sua casa. Era um dia bem ensolarado e fazia uma leve brisa.
Logo depois de retornar da pescaria tarde da noite, ele caiu em um profundo sono e começou a sonhar.
Em seu sonho, ele se via pescando exatamente como havia feito durante o dia e no mesmo lugar.
Então ele viu um homem idoso de cabelos brancos sentado ao seu lado pescando com ele. O velhote era muito gentil, e mais tarde quando Grão-mestre Kang Jun começou a conversar com ele sobre ele ter dificuldades em nomear sua arte. Depois de ouvir a história dele, o velhote entrega um pedaço de papel vermelho ao Grão-Mestre Gang Jun. Logo depois ele abre o papel e acorda de seu sonho.
Ele olhou para o relógio meio sonolento e viu que já eram três horas da manhã.
Ele começou a anotar a mensagem que recebeu do velhote em seu sonho. Em seguida, ele caiu no sono de novo. Quando acorda no início da manhã, vê uma nota sobre a mesa que ele escreveu durante a madrugada.
Era um tanto estranho e antigo caractere chinês com um grande círculo como ele nunca havia visto antes. Ele começa a busca para encontrar o significado desse caracter. No entanto, uma pessoa que conhecia muito bem caracteres chineses, lhe disse que aquele caracter não existia.
Ele colocou " Gong Kwon Yu Sul" no interior do círculo, em vez do caracter desconhecido. Em seu sonho, o círculo foi desenhado na cor preta, mas ele escolheu cor vermelha para dar significado mais profundo ao círculo. A partir de então, o nome Gongkwon Yusul se estabeleceu com esse logotipo.
Gongkwon (空 拳) significa lutar com as mãos vazias onde não há arma disponível. Além disso, significa todos os tipos de técnicas de ataque no sentido mais restrito. Yusul (柔術) é composto por duas palavras diferentes: flexibilidade e técnica. Idealmente, Gongkwon Yusul persegue a força e a utiliza através da flexibilidade. Isto significa também todos os tipos de técnicas suaves Gongkwon Yusul no sentido mais restrito. A aparência flexível dos caracteres chineses pintados a pincel, representa o sistema técnico de Gongkwon Yusul que é naturalmente ligado continuamente, sem qualquer quebra ou ruptura. A cor preta das letras simboliza o elevado nível de Faixa-Preta (Dan) que só pode ser conseguido através do treinamento incessante. O círculo no meio significa a firme determinação desde o início e representa externamente suave, mas internamente um forte estado de espírito. O círculo imperfeito aponta para a coexistência daquilo que é forte e suave, e implica que as técnicas de ataque e as de Yusul estão no mesmo contexto. A cor vermelha simboliza a perseverança incessante de formação exigida para o árduo treinamento e esforços. Gongkwon Yusul possui um ponto de partida, mas não um ponto final. Isso nos força a alcançar a meta espiritual de perfeição e fomento humano que trabalha em alinhamento com o que é forte é flexível e vice-versa, através da prática repetida incessantemente e aperfeiçoada.

 Significado da Saudação Ho Shin!

Pode ser definido como Autodefesa. Isto significa que o treinamento e sua aplicação focam a autodefesa sobre qualquer ameaça. Isto enfatiza o espírito da arte marcial, que proíbe o interesse próprio baseado no ataque a outra pessoa e segue o caminho para a paz e a harmonia. Todos devem se cumprimentar um outro com a palavra de comando "Ho shin!” (autodefesa ou de auto proteção) através do treinamento, seja no início ou no término de uma aula, após a realização de uma técnica ou explicação ou explanação do Mestre ou Instrutor no comando da aula. Deve-se permanecer educadamente com os pés juntos. Trazer a mão direita cerrada junto da palma mão esquerda de forma que ela se ponha suavemente sobre a direita á altura do peito, e logo após, se curvar em ângulo de 45º um para o outro.

O punho cerrado simboliza o ataque e a palma simboliza a defesa que para o ataque. Ela representa etiqueta e a atitude ética de autodefesa da arte marcial. Aqueles que praticam artes marciais não devem permitir que outras pessoas ataquem inesperadamente, mesmo que estejam se saudando mutuamente e deve manter a sua mente em uma condição tão calma quanto a de responder com flexibilidade mesmo que lance um ataque habilidosamente. A saudação do Gongkwon Yusul representa uma firme postura de autodefesa, outra técnica para lidar com um possível ou inesperado ataque e tirar o melhor do outro indivíduo.

 Técnicas do Gongkwon Yusul

- Takyeokgi
Chutes (Jokgi), socos (Sugi), técnicas de defesa, combinação de técnicas de ataque fazem parte do extenso arsenal de ataque do Gongkwon Yusul. Existem cerca de 1200 técnicas.
- Maechigi
Arremessos com as mãos (Songisul), por movimentos da cintura (Heorigisul), por movimentos de pernas ou por técnicas de sacrifício, técnicas de pé (Balgisul), onde se subdivide em Witgisul, Araetgisul, BangJoksul, Jwasul. São técnicas semelhantes àquelas usadas no Judô ou Jiu-Jitsu, diferenciando na intenção do golpe que não é o ponto perfeito, mas sim a técnica mais indicada a cada situação de luta real. Existe cerca de 350 abordagens e projeções.
- Sulgi
Técnicas de luta agarrada em pé.
- Wasulgi
Técnicas de luta de solo.
- Hoshinsulgi
Formas de defesa pessoal dentro da visão do Gongkwon Yusul, onde suas técnicas são exploradas e bem desenvolvidas visando a sobrevivência de qualquer pessoa face a um agressor.
- Samwonbon – Formas do Gongkwonyusul
Simmubon - em número de dez (estágio onde encontramos o que o básico de Gongkwon Yusul) Kyeonbeopbon - Em número de nove (nessa fase adquire a visão em profundidade através da compreensão do básico de Gongkwon Yusul Ipgibon - Formas em numero de seis (fase de estabelecer a sua própria técnicas)
- Hyeong – Formas avançadas do Gongkwon Yusul

 Representante no Brasil

Michel Salgado é o único no Brasil considerado Mestre em Yusul e reconhecido pela Associação Coreana e pelo governo Coreano, tendo iniciado seu treinamento aos seis anos de idade na arte do judô com o Mestre Tatu, com nove começou a praticar Tae kwon do com o Mestre Jarbas, teve alguns títulos em campeonatos, e aos dezoito anos, já faixa preta, iniciou no Hapkido com o Grão Mestre Alexandre Gomes. Junto treinou Jiujitsu com o Prof: Amauri e com o prof: Denilson Bittencurt, mesmo assim sentia falta de uma arte que fosse mais efetiva e completa nos treinamentos e ao mesmo tempo preservasse a integridade física dos praticantes, por volta de 1998 adaptou técnicas de jiujitsu e hapkido e ensinava aos seus alunos de hapkido com o nome Yusul ( Jujitsu em Coreano ), ensinou esta técnica por alguns anos.
Em 2004 conheceu o Gongkwon yusul, treinou com total dedicação e em 2006 foi para a Coréia, onde participou de um rigoroso treinamento e avaliação na qual foi considerado apto a receber a graduação de Mestre.

Professores oficiais de Gongkwon yusul no Brasil:
Mestre Michel Salgado 4º Dan - local: Esteio, RS
Professores Faixas Pretas 1º Dan .
Jorge Mascarin - RS .
Luciano Rambo - RS .
Marcio Cardoso - RS .
Alessandro Lucas - RS .
Eduardo Jacondino - PR .
Rodolfo Cruz - RJ

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Gongkwon_Yusul

BUKAN ESCOLA DE KRAV-MAGA

A Sucursal Internacional para exames e capacitação

As Atividades da Escola
A Escola tem por finalidade promover o Krav-Magá como arte marcial israelense para defesa pessoal. Portanto, dispõe de ampla diversidade de cursos e seminários de Krav-Magá e Defesa Pessoal no intuito de facilitar o acesso à arte para o maior número possível de pessoas.

1. Curso para formação de instrutores de Krav-Magá e defesa pessoal. Cada participante nesse curso receberá diploma de instrutor. Para aqueles que possuem conhecimento prévio, há a possibilidade de ganhar uma nova graduação.

2. Ademais, o Grão Mestre Yaron ministra seminaries e "workshops" de Krav-Magá e defesa pessoal no mundo inteiro e em diversos níveis. Esses eventos são destinados tanto a iniciantes como para graduados. Cada dono de Academia ou grupo de alunos podem entrar em contato com Sensei Rotem para receber maiores informações de como participar nesses seminários.

3. Para quem já possui experiência prévia, damos a possibilidade de prestar exames para faixas marrom e preta (e além), em defesa pessoal e Krav-Magá. Os exames podem ser realizados em qualquer lugar (quando possível) e serão ministrados pelo Grão Mestre Yaron. Cada um que passará os exames receberá o respeitado diploma da escola, indicando a sua graduação.

4. Seminários especiais para iniciantes que desejam adquirir conhecimento e experiência em Krav-Magá.

5. Pessoas com experiência prévia que desejam se qualificarem e trabalharem como instrutores de Krav-Magá e serem representantes da Escola em sua cidade / região, podem entrar em ocntato com Sensei Rotem para receber apoio profissional e de outras formas e se beneficiar com a experiência da escola na organização de seminários, exames de graduação, treinamentos especiais, publicação de livros, palestras e muito mais.

6. Seminários especializados específicos para profesisonais da área de segurança pública e privada, unidades militares e policiais e empresas de segurança.

7. Aulas regulares em diversos Estados e cidades.

8. Seminário de Zen e Krav-Magá
    A. Autocontrole e técnicas de respiração. B. Técncias de contorle da perna e do pé no Krav-Magá C. O Krav-Magá como instrumento de meditação usando contole corporal e seu efeito sobre a vida do dia-dia. D. Deus está nos mínimos detalhes: Técnicas de contorle das mãos e das pernas para alcançar uma total compreensão do Krav-Magá como arte marcial para defesa pessoal. Todas as atividades são igualmente adequadas para homens e mulheres.

Fatos Históricos


Grão Mestre Yaron
No ano de 1977, dez anos depois da fundação de sua academia na cidade de Tel-Aviv, Imi passou as chaves da mesma para seu discípulo faixa preta, Yaron Lichtenstein. Pouco tempo depois um enorme avanço ocorreu na exposição e reconhecimento do Krav-Magá em Israel e no mundo inteiro.

Yaron, que uma década antes tornou-se um dos dois primeiros alunos do Imi que começaram seu caminho numa arte marcial desconhecida ao público: até aquele momento o Krav-Magá era exclusivamente reservado às forças de Israel.

Passaram alguns meses e o número de alunos cresceu e a academia ficou pequena demais para conter todos os novos praticantes. Consequentemente Yaron voltou a sua cidade natal, Rehovot, e lá fundou, junto com Imi, a BUKAN - Escola de Krav-Magá, a primeira do Gênero no mundo, com aproximadamente 3.000 alunos e mais de cinqüenta instrutores sob a sua supervisão.

A Intransigência profissional que Yaron herdou do seu professor e que foi aplicada diariamente nas aulas que ele ministrou, atraiu milhares de alunos para o Krav-Magá. Pessoas da área da educação - professores, diretores e representantes oficiais do ministério da educação, que viram e sentiram a contribuição do Krav-Magá para as pessoas que o praticaram, ajudaram Yaron a trazer o Krav-Magá para dezenas de escolas públicas em Israel. Era a primeira vez no mundo que tal projeto foi implantado.

Durante todo esse tempo Imi acompanhou o grande avança, sendo o mentor profissional e espiritual para o Yaron e o Krav-Magá e participando em todos os eventos.

No intuito de receber uma licença especial para operar uma escola particular de Krav-Magá, Yaron foi estudar na universidade do Insituto Wingate, e se formou como treinador especializado, sendo o primeiro a receber tal certificação do Instituto Wingate e do Ministério de Educação em Israel. Consequentemente, ele foi o único autorizado por órgão público oficial a conceder diplomas de instrutor em Krav-Magá.

Além de seu trabalho na Escola, Yaron foi chamado para fundar e criar unidades independentes para instrução de Krav-Magá no exército israelense e nas diversas forças de segurança. Esses projetos também foram executados com grande sucesso.

No ano de 1989 a primeira delegação de instrutores e alunos de Krav-Magá, com dezenas de integrantes embarcou para a Holanda com o objetivo de difundir o Krav-Magá fora de Israel. Assim foi feito o primeiro passo para a expansão do Krav-Magá mundo afora.

Outro marco significante ocorreu quando Imi e Yaron publicaram dois livros sobre o Krav-Magá, incluindo praticamente toda a matéria e todos os movimentos autênticos e originais da mesma forma que foram criados pelo Imi, sem nenhuma alteração (ao contrário do que muitos fazem hoje em dia).

As duas obras: "Krav-Magá - Arte marcial Para Defesa Pessoal" e "Krav-Magá - O Poder, O Mistério, A Verdade" abriram um caminho inédito para todos os praticantes de Krav-Magá.

No mês de Maio 2007, Grão Mestre Yaron junto com seu filho, Sensei Rotem, Publicaram a obra: "O Livro do Krav-Magá - A Bíblia".

Ademais, como parte de seu trabalho com instituições educacionais, Yaron elaborou vários artigos acadêmicos sobre o Krav-Magá, artigos estes foram reconhecidos e aceitos pela Universidade Hebraica de Jerusalém, a maior e a mais respeitada do país.

No ano de 1994 Yaron recebeu do Imi Um diploma indicando o seu grau de Dan 9 de Krav-Magá e o fato dele ser o Grão Mestre do Krav-Magá no mundo inteiro.


7. No dia 2.6.1985 Yaron recebeu o grau de Faixa Preta 2 Dan

8. No dia 24.8.1986, num curso para Dans 1, 2 e 3 que foi ministrado pelo Imi no Insitituto Wingate, Yaron se formou com excelência e ganhou a graduação de 4º Dan.

9. No ano de 1988, Yaron e Imi lançaram o primeiro livro do Krav-Magá, com 190 páginas, sem alterar ou modificar nenhum movimento ou técnica (como muitos fazem hoje em dia). O livro vendeu dezenas de milhares de exemplares e tornou-se o manual oficial de defesa pessoal do Exército israelense.

10. BUKAN - Escola de Krav-Magá foi a primeira a mandar grupos para treinar e ensinar o Krav-Magá fora das fronteiras de Israel.

11. No dia 20.6.1990, num treinamento realizado na Escola BUKAN, Imi deu ao Yaron o grau de Sexto Dan.

12. Grão Mestre Yaron elaborou e executou um projeto único, gigantesco e extremamente sucedido, no qual crianças e adolescentes de todas as escolas públicas em Israel tiveram aulas regulares de Krav-Magá, como parte da grade escolar obrigatório.

13. Grão Mestre Yaron foi o primeiro a enviar alunos e instrutores para ministrar aulas e divulgar o Krav-Magá em países como Japão, Austrália, Canadá e muitos outros.

14. No ano de 1994, Yaron e Imi lançaram o Segundo livro, desta vez com 240 páginas, como matéria complementar do primeiro. Esse livro somente pode ser comprado através deste site.

15. Grão Mestre Yaron é o único autorizado pelo Instituto Wingate a qualificar instrutores de Krav-Magá e defesa pessoal.

16. No dia 1.8.1994, depois de ter observado o profissionalismo do Yaron e tudo que ele fez no intuito de promover o Krav-Magá mundialmente, e com o desejo de preservar o Original Krav-Magá, Imi deu ao Yaron o Grau de Faixa Preta Nono Dan e o título de Grão Mestre do Krav-Magá no mundo inteiro, além de o nomear como seu único sucessor profissional.

A língua do Krav-Magá
No verão de 1971, depois da cerimônia de graduação do primeiro e histórico curso de formação de instrutores de Krav-Magá, que foi ministrado pelo Imi e com o apoio integral do Instituto Wingate, o velho professor veio falar comigo. Ele disse que há duas coisas extremamente importantes para o Krav-Magá hoje em dia: o primeiro é formar cada vez mais e mais novos instrutores, no intuito de divulgar a arte. E segundo, que todos aprendessem os nomes das técnicas e dos movimentos no Hebraico.

O Krav-Magá como arte marcial realmente ganhou reconhecimento mundial, resultado direto do trabalho de centenas de instrutores que foram qualificados ao longo dos anos. Porém, apenas poucos hoje em dia, fora de Israel, ensinam o Krav-Magá na sua língua original, o idioma do Imi - O Hebraico.

Imi dominou de forma fluente várias línguas européias, mas apesar de viver muitas décadas em Israel, ele nunca conseguiu tornar o Hebraico a sua língua dominante. O hebraico que falou, embora fosse precisa, foi às vezes um pouco estranho e não era raro escutar um de seus alunos o corrigindo em alguma palavra. Mas, quando ele estava nos ensinando os nomes das técnicas, o Hebraico do Imi virou claro e seguro. Mesmo se vez em quando ele deu um nome inesperado a algum exercício, Imi sempre tinha uma resposta pronta para nós: "Eu falo Hebraico que eu mesmo entendo" ele dizia, acabando assim qualquer discussão.

Já pelo nome dado por Imi a cada técnica, o aluno pode entender como o exercício deve ser aplicado. Para alguns golpes e movimentos, Imi até criou nomes hebraicos que na verdade não existiam na língua hebraica, mas com o passar dos anos tornaram-se parte inseparável do idioma, como por exemplo: Makat Zirtit, Karit Kaf Haregel etc. A maioria das artes marciais hoje em dia originam-se no Oriente, no Japão, China, Coréia e, cada arte preserva de forma rígida os nomes dos exercícios na sua língua original: o Judô no Japonês, o Kung-Fu no Chinês e o Ta-Kwan-Do no Coreano.

Isso permite a realização de encontros internacionais entre pessoas de idiomas e nacionalidades diferentes, que podem desta forma treinar juntos sem nenhuma dificuldade. Apenas no Krav-Magá percebe-se uma situação na qual os nomes das técnicas foram traduzidos de acordo com o idioma local onde são ensinados. Essa realidade é errada não apenas por causa de seus efeitos mundiais, mas também porque a tradução dos nomes, como já vi e ouvi muitas vezes e em diversos lugares, não é semelhante, expressa e nem explica o exercício da forma que foi criado pelo Imi e assim todos saem perdendo. A tradição constitui uma parte importante de qualquer arte marcial, e está na hora que também no Krav-Magá aconteça o mesmo. Não é bastante pendurar uma foto do Imi na parede e fazer uma saudação a ele, quando não há nenhuma intenção verdadeira atrás disso. Respeitar e honrar o Imi significa entender seu espírito e o da arte marcial que ele criou.

Para qualquer lugar que chego eu sempre ensino o Krav-Magá na sua língua original, de acordo com um método especial que desenvolvi e sempre com êxito completo. Mesmo se no início pode parecer um pouco difícil, mas depois de algum tempo os alunos começam a apreciar e ganham uma sensação única de solidariedade.

Seria meu prazer ajudar a qualquer um que tenha interesse em saber como o Krav-Magá pode ser ensinado no Hebraico.
Grão Mestre Yaron Lichtenstein
Fonte: http://www.kravmaga-bukan.com/port/hist.phpSeguem alguns fatos históricos:

1. Yaron começou seus treinamentos com Imi no final de 1967, e ele é um dos únicos dez alunos de Imi que receberam dele a faixa preta.

2. No dia 14.8.1971 Yaron se formou no primeiro curso de instrutores realizado pelo Imi com o apoio do Insituto Wingate. Yaron recebeu um diploma oficial de instrutor do Instituto Wingate.

3. No ano de 1977 Yaron recebeu do Imi o Grau de faixa preta. Na verdade, Imi deu a Yaron sua própria faixa preta, e esta está guardada com Yaron até hoje.

4. Imi abriu duas academias: Uma na cidade de Natanya e a outra na cidade de Tel-Aviv. A academia em Tel-Aviv passou às mãos do Yaron no ano de 1977.

5. No mesmo ano, Yaron e Imi fundaram a BUKAN - Escola de Krav-Magá, a maior do gênero, com cerca de 3.000 alunos e 54 instrutores - um sucesso que jamais foi repetido por alguém.

6. Nos anos de 1983-1984 Yaron participou e se formou no curso de instrutores-chefes realizado no Instituto Wingate. Portanto, Yaron é portador de um certificado oficial de treinador-chefe, reconhecido pelo Insituto Wingate e pelo Ministério da educação.

Karate Do ou… Karate Jutsu?

Karate Do ou… Karate Jutsu?


do
jutsu
O que me leva a escrever este artigo emana de uma preocupação sobre o actual panorama do karate internacional. Esta é provavelmente a arte marcial mais praticada no mundo e teve nos poucos anos da sua existência, contando apenas com a actual denominação, uma expansão extraordinária e verdadeiramente notável.
itosuEsta arte terrivelmente eficaz transformou-se num “desporto marcial” acessível a todos e podendo ser praticados por todas as classes sociais e condições físicas. Essa massificação teve historicamente dois pontos fulcrais. Um aquando da sua dispersão pelas escolas públicas de Okinawa por volta de 1901 tendo como grande interveniente o Mestre Anko Itosu (1832-1915) e outro por volta de 1920 em que a arte foi difundida por todo o Japão pela mão dos pratiarcas dos diferentes estilos actuais.
Uma pergunta fica no ar. Como é que uma arte de reconhecida eficácia marcial e com golpes letais se torna numa artekonishimotobu_sm praticável por crianças?! A resposta é simples, retirando e atenuando as técnicas perigosas. Foi o que aconteceu ao antigo Te de Okinawa quando foi introduzido em escolas e universidades. A actual denominação têm na sua essência essa nova tendência, a mudança de antigos nomes como tode jutsu, Okinawa kempo jutsu ou simplesmente te, para karate do – a via da mão vazia, alerta para a necessidade de crescimento espiritual e físico num “desporto” que pode ser praticado por todos, quebrando com as designações associadas ao kempo Chinês.
Esta mudança teve um custo marcial, à qual muitos mestres não ficaram alheios levando a vários alertas sobre o perigo que esta acarretava, conduzindo a que a abordagem virada para a pura eficácia tenha sido alterada para componentes de treino mais seguros desvirtuando, de certa forma, a sua essência.
A parte Do incute no praticante a importância do crescimento espiritual a par do desenvolvimento físico e do culto da moral e dos valores. Apesar de ser louvável e de extrema importância, uma arte marcial não se pode definir apenas por este caminho. Se o treino não for sentido e a eficácia acurada estaremos num caminho ilusório que não conduzirá ao nosso verdadeiro crescimento como seres humanos e praticantes de artes marciais.
kanazawa10aA competição surge no karate do após a sua dispersão pelo Japão. O karate universitário foi a grande chama para o crescimento do karate competitivo. As primeiras competições, mais brutais que as dos nossos dias, chamaram a ribalta muitos nomes de vulto do karate actual, alguns deles em declarada ruptura com os antigos mestres. Pontapés altos, rotativos e mais umas quantas técnicas eram suficientes para deixar plateias em êxtase ao ver a rapidez e determinação dos golpes.
Este apógeu bem como a introdução de conceitos de desporto moderno tornaram o karate actual num sucedâneo do antigo kempo de Okinawa. A forte presença do Judo como arte marcial no Japão levou também a que o karate perde-se grande parte das técnicas de projecção, luxações, estrangulamentos, etc.
O karate dos nossos dias tem nitidamente um défice de budo e de eficácia, apesar de termos praticantes brilhantes e exímios lutadores. Mas quando falamos de arte marcial tem de haver algo mais que isso. Reparem que a maior parte shuricastleolddas aplicações dos kata que fazemos são contra murros directos ao peito ou cara a partir de uma distância confortável que muito pouco põe em causa a nossa integridade, mesmo que o adversário seja muito rápido. Para muitas das técnicas dos kata não se conhece aplicação e outras nem sequer aplicamos quando lutamos nos nossos dojos em kumite livre. Se não as utilizamos para que servem? Muitos de nós treinam técnicas que não tem aplicação em combate real. Pura e simplesmente não tem. Isto é um facto histórico, tal como referi anteriormente, consequência da introdução do karate para as crianças de Okinawa e na sua disseminação para o grande Japão.
O karate convida a reflexão e à interrogação, por isso devemo-nos perguntar qual o intuito do nosso treino, qual o fio condutor. Aprender de “empreitada” 40 kata não dará mestria marcial a ninguém. Cada kata é um mundo com um infindável repertório de técnicas que nos permitem “sair” de qualquer situação desfavorável. É esse o sentido marcial do karate que se perdeu com o tempo. Antigamente muitas escolas apenas tinham um ou dois para o seu treino.
As actuais directivas de treino, transversais a todos os estilos e associações, causam em alguns praticantes a necessidade de ir beber a outras artes o que à muito se perdeu. Alguns lhes chamarão dissidentes ou que desvirtuaram o seu karate, que não conseguiram percorrer o exigente caminho. Eu chamo-lhes visionários que perceberam as lacunas do seu treino e percorreram o seu próprio caminho, o seu Do.
motobu4_smallAtendendo a tudo isto entendo que no meu caminho, no meu Do, prefiro caminhar para o karate jutsu. Aquele que à muito se perdeu e que alguns praticantes procuram reviver sobre pena de se perder para sempre. É difícil quebrar com as barreiras dos 3 ou 4 katas para exame, as aplicações para “crianças”, etc., mas quantas vezes na vida não temos de fazer um “reset” e iniciar tudo de novo?!
Acho de extrema importância esta consciência  que a nossa arte actual é o produto de uma minimização 193420miyagi_smallde conteúdo e de uma massificação. Estamos virados para indicadores de grupo, para números, para curvas de evolução. Tudo isso é importante mas é igualmente importante ensinar aos nossos alunos que uma simples técnica pode significar uma variedade de aplicações e que ele tem um papel activo na sua interpretação.
Lanço o desafio à comunidade karateca para dar a sua opinião sobre este tema. Penso que seria de extrema importância, atendendo ao actual panorama, a criação de grupos de estudo sobre o kempo tradicional de Okinawa, vulgo karate jutsu, cuja incomensurável riqueza esta em risco de se perder para os anais da história.
Não sou defensor do antigo mas sim da modernidade de uma arte que não pode perder as suas raízes. O karate está  e estará em constante evolução e cada um de nós, apesar de “milhentos”, tem um papel muito importante e seremos sempre poucos quando além de um técnica quisermos mudar uma mentalidade…
Fonte: Mário Magalhães - http://kunshinoken.wordpress.com/2008/12/30/karate-do-ou-karate-jutsu/
PS: Alguns sites que podem consultar sobre o assunto:
http://www.koryu-uchinadi.com/
http://www.iainabernethy.com/
http://www.fightingarts.com/reading/article.php?id=312Lutador de artes marciais tenta surpreender e acaba se dando mal levando um tiro

BRAUN KARATÊ- JUTSU

No BRAUN Karate-Jutsu  reúne-se técnicas de Atemi-wasa (pancadas), Nage-wasa (projeções), Neo-wasa (técnica de solo), Shime-wasa (estrangulamentos), e Kansetsu-wasa (torções e chaves).
O treinamento do BRAUN Karate-Jutsu consiste em dar-se ênfase às técnicas com real possibilidade de uso, eliminando assim treinamentos desnecessários com técnicas de aplicação improvável. Outra máxima do treinamento é a conectividade entre as três principais técnicas, Atemi, Nage e Neo Wasa, respectivamente, Ataques e defesas, projeções e luta no solo, dando ao lutador de Karate-Jutsu a habilidade de lutar em qualquer campo, e se defender de qualquer tipo de ataque.
A aplicação das técnicas desenvolvidas é feita em dois tipos de treinamento de combate, o Jiu-Kumite, combate livre onde são praticadas as três principais técnicas, e o kumite de contato, onde os praticantes usam luvas de proteção para um combate mais vigoroso, sem restrições de áreas de contato, com exceção a região genital, olhos, nuca e rins.
Não há graduação no sistema BRAUN KARATÊ - JUTSU, os praticantes usam apenas a baixa branca e também não há kata, havendo sim a troca de técnicas e estudos de situações, onde todos os praticantes podem discutir e estudar com profundidade o que é aprendido, dentro do postulado: 'A técnica aperfeiçoa e o estudo aprofunda". (André Luiz Braun - Pedagogo).

Yasutaka Tanaka

Nascido e Tóquio no dia 8 de outubro de 1936, sensei Tanaka viveu no Japão até os 6 anos de idade, indo depois com a família para a China. Voltou ao Japão após o fim da 2ªGuerra Mundial. Morou mais alguns anos no Japão, onde fez a faculdade. Foi na faculdade de Takudai que Tanaka conheceu o Karate, diretamente com o Sensei Nakayama. Naquela época o karate era diferente. O karate era budo, era para a formação. Não se treinava para ganhar títulos e sim para desenvolver a mente, o corpo e o espírito. Hoje, Tanaka está no topo da hierarquia do Karate –Do Tradicional no Brasil, e é um dos mais importantes mestres do Karate –Do Tradicional de todo o mundo. Com o tempo dizia –se cansado do Japão, e como o Brasil, na época, era o único país do mundo que recebia imigrantes japoneses, teve que escolher entre viver no Japão ou vir para o Brasil. Resolveu, então vir ao Brasil em 1959. Sensei Tanaka não veio ao Brasil com a intenção de praticar karate, até porque o Karate praticado no Brasil era restrito a poucos lugares, em São Paulo. Existiam poucas escolas. Naquela época os principais professores eram os professores Sagara, Harada, Akamine, Uriu e o Higashino. Em 1962, os professores Tanaka e Uriu foram para o Rio de Janeiro, onde o Karate era completamente desconhecido. Lá implantaram o Karate. Em 1964, a Federação de Pugilismo os procurou para se filiarem a ela. Em 1965, realizaram oficialmente o primeiro Campeonato Carioca.

Gichin Funakoshi


A história do Mestre Gichin Funakoshi se confunde com a própria história do Karate, por isso a ele é creditado o título de "Pai do Karate Moderno", devido aos seus esforços em divulgar essa arte para o mundo e torná-la acessível a todos. Gichin Funakoshi nasceu em Shuri, Okinawa, em 1868, o mesmo ano da Restauração Meiji. Funakoshi era filho único, e logo após o seu nascimento fora levado para a casa dos seus avós maternos, com quem foi educado e aprendeu poesias clássicas chinesas. Algum tempo depois ele começou a freqüentar a escola primária, onde conheceu outro garoto de quem ficou muito amigo. Esse garoto era filho de Yasutsune Azato, um dois maiores especialistas de Okinawa na arte do Karate, e membro de uma família das mais respeitadas. Logo Funakoshi começava a tomar suas primeiras lições de Karate. Como na época a prática de artes marciais era proibida em Okinawa, os treinos eram realizados à noite, no quintal da casa do Mestre Azato. Lá ele aprendia a socar, chutar, e mover-se conforme os métodos praticados naqueles dias. O treinamento era muito rigoroso. Mestre Azato tinha uma filosofia de treinamento que se chamava "Hito Kata San Nen", ou seja, "um Kata em três anos". Funakoshi estudava cada Kata a fundo, e então, quando autorizado pelo seu mestre, seguia para o próximo... Enquanto praticava no quintal de Azato com outros jovens, outro gigante do Karate, Mestre Itosu, amigo de Azato, aparecia e observava-os fazendo Kata, tecendo comentários sobre suas técnicas. Era uma rotina dura que terminava sempre de madrugada sob a disciplina rígida do mestre Azato, do qual o melhor elogio se limitava a uma única palavra: "Bom!". Após os treinos, já quase ao amanhecer, Azato falava sobre a essência do Karate. Após vários anos, a prática do Karate deu grande contribuição para a saúde de Funakoshi, que fora uma criança muito frágil e doentia. Ele gostava muito do Karate, mas como não pensava que pudesse fazer dele uma profissão, inscreveu-se e foi aceito como professor de uma escola primária, em 1888, aos 21 anos, aproveitando toda sua cultura adquirida desde a infância quando seus avós lhe ensinavam os Clássicos Chineses. Esta deveria ser sua carreira a partir de então... Mestre Gichin Funakoshi faleceu em 26/04/1957.

Fonte:http://www.fsrkt.org.br/mestres.php

Hidetaka Nishiyama



Mestre Nishiyama nasceu em Tóquio, em 1928. Em 1943 descobre o Karatê no dojo dirigido por Gichin Funakoshi. Nessa época Funakoshi estava com 72 anos e Nishiyama com apenas 15!. Em 1945, Nishiyama entra na Universidade de Takushoku, famosa pelo seu dojo de Karatê. Quatro anos mais tarde, torna-se capitão da equipe de Karatê dessa instituição. Pouco tempo depois, participa da criação da "All Japan Collegiate Karatê Association". Mestre Hidetaka Nishiyama faleceu em 07/11/2008.