Follow by Email

sábado, 12 de março de 2011

Enganados por um Falso Jesus: As "Verdades" Distorcidas de A Cabana e Um Curso em Milagres

 










Enganados por um Falso Jesus: As "Verdades" Distorcidas de A Cabana e Um Curso em Milagres:

"Este livro tem o potencial de fazer na nossa geração aquilo que O Peregrino, de John Bunyan, fez na dele. É tão bom assim!" Eugene Peterson, autor de The Message (recomendação escrita na capa).
 
"Aqueles que me amam vem de cada credo que existe. Eles eram budistas ou mórmons, batistas ou muçulmanos... Eu não desejo torná-los cristãos, mas desejo reuni-los em sua transformação em filhos e filhas de meu papai, em meus irmãos e irmãs." O 'Jesus' de A Cabana [1, pág. 182].
 
"As tradições espirituais esotéricas — quer sejam dos místicos cristãos, dos cabalistas judeus, zen-budistas, sufistas islâmicos, ou iogues hinduístas — todas têm práticas específicas para ajudar os indivíduos a superarem essa grande 'ilusão de separação' e experimentarem o verdadeiro Eu Interior, que está em todos nós." [2, pág. 149] — Um Curso em Milagres, ditado e canalizado a Helen Schucman em 1977 por seu espírito-guia, que afirmava ser 'Jesus'.
 
"E Jesus, respondendo, disse-lhes: Acautelai-vos, que ninguém vos engane; Porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos." [Mateus 24:4-5].

 
Dois livros (um novo, outro velho) subitamente chamaram a atenção do público e conquistaram os corações das multidões. Um é longo e instrutivo — ditado por um espírito-guia. O outro é um testemunho fictício, cheio de conversas que fazem chorar. Um Curso em Milagres é claramente ocultista, enquanto a mensagem mais sutil de A Cabana, de William P. Young, tem sido amplamente aceita nas igrejas pós-modernas.
 
 
Os dois livros compartilham uma mensagem comum. Vi uma expressão bem clara dela em 1992. Ao folhear uma revista chamada Well-Being Journal (Jornal do Bem-Estar), observei essa "visão" novaerense do "guia interior" do autor:
"Muitos acreditam no mal, no pecado e nas forças tenebrosas. É seu objetivo ensinar o oposto, que é a verdade: não existe diabo, nem inferno, nem pecado, nem culpa, exceto na mente criativa da humanidade."
 
Ouvi opiniões parecidas no Fórum da Situação Mundial, organizado por Gorbatchev em 1997. Naquela época, a palestrante principal, Marianne Williamson, estava promovendo a Cabala, não Um Curso em Milagres. Embora aquelas "visões" novaerenses se encaixassem em ambos, elas são expressas mais enfaticamente em Um Curso em Milagres, que Williamson agora está popularizando nos EUA por meio do programa de rádio semanal de Oprah Winfrey.
 
A Cabana apela para uma negação similar da realidade. Mas muitos pastores e líderes de igrejas estão se deleitando em sua mensagem. Ao ignorar (ou redefinir) o pecado e a culpa, eles abraçam um "cristianismo" inclusivo, mas falso, que atrai multidões, porém distorce a Bíblia. Ao ignorar Satanás também, eles enfraquecem os alertas de Deus sobre o engano. Não é de se admirar que a armadura de Deus para a guerra espiritual de hoje se tornou uma das primeiras vítimas desse ataque cada vez maior à Verdade.
 
 
Roger Oakland, autor de Faith Undone (Fé Destruída), fez alusão à essa transformação em seu artigo "My Trip to the Rethink Conference" (Minha Viagem à Conferência Repensar):
"Durante quase dois mil anos, a maioria dos cristãos professos viu a Bíblia como o fundamento da fé cristã. No entanto, a visão geral na Conferência Repensar é que o cristianismo, como o conhecemos, percorreu seu caminho e precisa ser substituído... Os palestrantes insistiram que o cristianismo precisa ser repensado e reinventado, se quisermos que o nome de Jesus Cristo sobreviva aqui no planeta Terra." [3].
 
 
Não há lugar para o Jesus histórico? Temos de reimaginar Deus e fazer com que Ele se encaixe na igreja universal emergente?
Isso parece ser o objetivo do 'Deus' feminino de A Cabana. Aqui, ela está falando ao personagem principal, Mackenzie (Mack para abreviar):
 
"Eu aparecer a você como uma mulher e sugerir que me chame de papai, é simplesmente misturar metáforas, para ajudá-lo a não regredir tão facilmente ao seu condicionamento religioso." [1, pág. 93].
 
"Condicionamento religioso?" É assim que o autor Young vê o cristianismo bíblico?
 
É fácil ser persuadido pelos argumentos bem construidos desse autor.
A Cabana é escrita como um testemunho pessoal que leva o leitor a diálogos virtuais com um 'Deus' divertido e culturalmente relevante. Contrastando com as lições claras e ocultistas de Um Curso em Milagres, A Cabana leva o leitor para dentro de experiências substitutivas num mundo de revelações e sensações.
 
O único pecado aqui é a independência — o que Um Curso em Milagres chama de "separação" — recusar aceitar a unidade universal com 'Deus' e os homens. Sem se importar com as diretrizes bíblicas, A Cabana não oferece padrão algum para certo ou errado, de modo que não há necessidade real alguma do arrependimento bíblico. Ela se encaixa bem na visão popular de uma igreja unificadora e que não julga.
 
"— Então, como faço para entrar nessa igreja?" pergunta Mack.
"— É simples," responde o falso Jesus. "— Tem tudo que ver com relacionamentos e simplesmente compartilhar a vida... estar aberto e disponível aos outros ao nosso redor. Minha igreja tem tudo que ver com pessoas, e a vida tem tudo que ver com relacionamentos." [2, pág. 178].
 
Isso parece parcialmente verdadeiro, como a maioria das enganações espirituais! Por exemplo, Jesus Cristo criticou os fariseus que "examinavam as Escrituras" mas se recusaram a "vir" a Ele. Os examinadores pós-modernos de hoje são tão tolos como aqueles. Eles ignoram as passagens indesejáveis e, então, se concentram no 'Jesus' culturalmente adaptado de suas imaginações.
 
Em A Cabana, os leitores conhecem um 'Deus' permissivo que se "submete" às suas práticas humanas. Eles olham através do véu entre a vida e a morte, veem a alegria do além, e se comunicam com seus entes queridos — exemplos sutis de "invocação dos mortos", que a Bíblia condena em Deuteronômio 18:11. Mack podia ver as "auras" coloridas que indicavam maturidade espiritual entre os mortos, agora vivos. Ele até mesmo praticava viagem astral — ou "voava" o termo que a A Cabana utiliza — uma palavra popularizada por Maharishi Yogi muito tempo atrás. ("Mack tinha aprendido a voar dentro de seus sonhos — a subir até as nuvens...") [1, pág. 116]).
 
"Que habilidade poderosa é a imaginação!" disse o falso Jesus de A Cabana. Esse poder apenas o torna muito parecido conosco." [1, pág. 140].
 
As portas da igreja são alargadas para incluir quase todo mundo. A única exceção parece ser as pessoas "independentes" que se recusam a "se aproximar" desse 'Deus' universal. Isso não é cristianismo — esse 'Jesus' falso concordaria. Quando Mack lhe pergunta o que "significa ser um cristão," ele responde:
 
"— Quem falou alguma coisa sobre ser um cristão? Eu não sou um cristão.' A idéia atinge Mack de forma estranha e inesperada e ele não consegue deixar de rir. '— Não, eu suponho que você não seja.'" [1, pág. 182].
 
É claro que ele não é! A palavra "cristão" refere-se aos seguidores, não ao próprio Jesus, e ela sempre se chocou com as culturas modernas. Mesmo quando os discípulos foram chamados de cristãos pela primeira vez em Antioquia (Atos 11:26), a palavra era um termo depreciativo, usado pelos inimigos da igreja. Mas os cristãos, que alegremente reivindicaram esse nome, estavam dispostos a dar suas vidas para compartilhar aquela Palavra vitoriosa.
 

Reimaginando a Trindade

A Cabana começa com um contexto trágico. Quatro anos haviam transcorrido desde o assassinato cruel de Missy, a querida filha de seis anos de Mack. Envolto em sofrimento, ele recebe um estranho convite que dizia: "Sinto sua falta. Estarei na cabana no próximo fim de semana, caso você queira aparecer. Papai." O significava isto?
 
Duvidoso, mas atraído ao encontro, Mack vai às florestas do Oregon e encontra a velha e desgastada cabana. 'Deus' milagrosamente a transformara em um aconchegante chalé, e Mack se encontra com seu suposto criador:
 
"... a porta se abriu rapidamente, e ele estava olhando diretamente para o rosto radiante de uma mulher negra. Ele recuou instintivamente, mas foi lento demais. Com velocidade que não condizia com seu físico, ela percorreu a distância entre os dois e o agarrou em seus braços..." [1, pág. 82; tradução nossa].
 
"Assim que ela virou... uma pequena mulher asiática surgiu detrás dela... Então, ele olhou atrás dela e percebeu que uma terceira pessoa havia surgido... dessa vez um homem. Ele parecia ser do Oriente Médio." [1, pág. 84; tradução nossa].
"Quando eles finalmente pararam de rir, a mulher negra... disse: 'Bem, nós conhecemos você, mas provavelmente devemos nos apresentar... você pode me chamar do que Nan [esposa de Mack] me chama: Papai.'...
 
"'— E eu,' interrompeu o homem, que aparentava estar na casa dos trinta anos e estava um pouco mais perto de Mack. '... Eu sou hebreu...'
"De repente Mack ficou confuso com sua conclusão. "Então, você é..."
"— Jesus? Sim. E você pode me chamar assim se quiser.'"
"Mack ficou sem palavras... Bem quando ele estava prestes a cair de joelhos, a mulher asiática se aproximou e chamou sua atenção. '— E eu sou Sarayu [o Espírito Santo, Criatividade].' ela disse...
"Pensamentos se emaranhavam na cabeça de Mack, enquanto lutava para ver o que faria... Como havia três deles, talvez isso fosse algum tipo de Trindade... Mack relutantemente perguntou: '— Então, qual de vocês é Deus?'"
"'— Eu sou,' disseram os três em uníssono.'" [1, págs. 86-87; tradução nossa].
 
Os diálogos que se seguem reforçam essa nova visão de Deus. Eles fizeram Mack mergulhar numa reeducação espiritual, pois cada comentário contradiz sua compreensão prévia de Deus. Por exemplo, esse novo 'Jesus' nunca retornou ao céu. Não houve ressurreição de verdade? Não, segundo o 'Deus' feminino:
 
"— Embora por natureza ele seja plenamente Deus, Jesus é plenamente homem e vive como tal. Embora nunca tenha perdido a habilidade nata de voar [o que ele mostra no livro], ele escolhe a cada momento permanecer com os pés no chão. É por isso que seu nome é Emanuel, Deus conosco..." [1, págs. 99-100; tradução nossa].
 
Mas a Bíblia diz que Jesus retornou ao Seu trono celestial após a crucificação. Além disso, nem Deus, o Pai, nem o Espírito Santo se fizeram finitos ou visíveis ao homem. "Deus nunca foi visto por alguém..." disse o verdadeiro Jesus (João 1:18a). Mas aqui, vemos todos os três em forma humana — na Terra! 'Deus' explica:
 
"'— Sou completamente ilimitado por natureza... Vivo em um estado de satisfação eterna como meu estado normal de existência:' disse ela, bem contente. 'Apenas uma das vantagens de Eu ser Eu:'
"Aquilo fez Mack sorrir. Aquela mulher estava realmente se divertindo..."
 
"Nós os criamos para compartilhar disso. Mas, então, Adão escolheu trilhar seu caminho, como sabíamos que ele faria, e tudo ficou uma bagunça. Mas em vez de acabarmos com toda a Criação, arregaçamos as mangas e entramos no meio da bagunça — foi isso o que fizemos em Jesus... Quando nós três nos manifestamos em forma humana como o Filho de Deus, nos tornamos plenamente humanos. Também escolhemos abraçar todas as limitações que isso implica... carne e sangue." [1, págs. 98-99; tradução nossa].
 

Negando a Autoridade de Deus, o Pecado e a Culpa

Os líderes das igrejas pós-modernas tendem a evitar palavras como "soberania" e "autoridade". Afinal, um Deus soberano que estabelece o padrão de moral para todos os tempos poderia causar divisão. Ele poderia impedir o propósito principal deles: relacionamentos inclusivos e "comunidade autêntica". A implicação total da cruz é intolerável àqueles que buscam uma porta larga e um caminho espaçoso. Mas o Jesus verdadeiro nos alertou:
 
"Na verdade, na verdade vos digo que aquele que não entra pela porta no curral das ovelhas, mas sobe por outra parte, é ladrão e salteador... Em verdade, em verdade vos digo que eu sou a porta das ovelhas." [João 10:1,7].
 
A trindade falsa de A Cabana rejeita a autoridade de Deus e troca a obediência a Ele por relacionamentos horizontais. Não é de se admirar que Mack esteja confuso quando pergunta: "— Por que o Deus do universo quereria se submeter a mim?"
 
"— Porque queremos que você se junte a nós em nosso círculo de relacionamentos," responde 'Jesus'. [1, pág. 145] Juntos, a 'trindade' explica:
"— Autoridade, como você geralmente a entende, é meramente a desculpa que os fortes usam para obrigar os outros a fazerem a vontade deles... Nós respeitamos suas escolhas cuidadosamente..." [1, pág. 123; tradução nossa].
"'— Vocês estão dizendo que eu não tenho de seguir as regras?'...
"— Sim. Com Jesus você não está sob lei alguma. Tudas as coisas são lícitas."
"— Vocês não estão falando sério! Você estão brincando comigo de novo, resmungou Mack."
"'— Filho,' interrompeu papai. 'Você ainda não ouviu nada.'"
"... impor regras [diz Sarayu]... é uma tentativa vã de criar certeza a partir da incerteza. Ao contrário do que você possa pensar, tenho grande apreço pela incerteza. As regras não trazem liberdade; elas só têm o poder de acusar.'" [1, pág. 203] [Um Curso em Milagres usa a palavra "atacar" em vez de "acusar"].
 
 
As diretrizes de Deus são na verdade uma "tentativa vã de criar certeza a partir da incerteza"? É claro que não! Fixar os valores imutáveis de Deus nas mentes de crentes fiéis não é uma "tentativa vã". Mas há muita incerteza para aqueles que acreditam numa Verdade relativa e Escrituras adaptáveis. Essa "incerteza" não pode estabelecer um fundamento firme para paz ou fé confiada! Na verdade, muitos pastores "cristãos" de hoje sofrem de dúvidas agonizantes — até mesmo sobre a existência de Deus! Mas isso não é nada, quando eles constróem seus ministérios sobre as areias movediças de "verdades" que agradam as pessoas, e não na sólida Rocha que é a Palavra de Deus.
 
Mandamentos bíblicos como "Não sede conformados com este mundo" e "Aborrecei o mal e apegai-vos ao bem." (Romanos 12:2,9] já desapareceram de muitas igrejas. Isso deve agradar os fãs de A Cabana. Minando a realidade do pecado, da culpa e dos justos juízos de Deus, esse processo transformacional solapa qualquer compreensão verdadeira de nossa necessidade de discernimento, arrependimento ou da cruz. Nesse contexto, até mesmo a graça excelsa de Deus fica sem sentido!
 
Veja como o falso 'Deus' de A Cabana zomba do Deus verdadeiro:
 
"— Não sou controlador, um tipo de deusinho egoísta e exigente que insiste que tudo seja feito do seu jeito. Sou bom e só desejo o que é melhor para você. Você não conseguirá encontrar isso através de culpa ou condenação..." [1, pág. 126; tradução nossa].
"— Você nem sequer precisa de mim para criar sua lista de bem e mal. Mas você precisa de mim se tiver a vontade de parar essa busca insana por independência... Mackenzie, mal é uma palavra que usamos para descrever a ausência do Bem, assim como usamos a palavra trevas para descrever a ausência de luz... Ambos, mal e trevas, só podem ser entendidos em relação à Luz e ao Bem; eles nem sequer existem de verdade." [1, pág. 136; tradução nossa].
 
 
Um Curso em Milagres repete essas visões de autoridade, pecado e culpa:
 
"Pecado é insanidade... Pecado é a fonte de toda ilusão... Não existe pecado." [4].
"... a culpa é sempre totalmente insana, e não tem sentido..." [5].
"O Espírito Santo nunca ordena. Ordenar é assumir desigualdade, a qual... não existe." [2, pág. 103].
"... você deixou a crença nas trevas entrar em sua mente e, portanto, precisa de uma nova luz... A voz do Espírito Santo não ordena, porque não pode ser arrogante. Ela não exige, porque não busca ter controle." [2, pág. 76; tradução nossa].
"Não há culpa em você... Seu único chamado aqui é para devotar-se, com disposição ativa, à negação da culpa em todas as suas formas... Estamos todos unidos na Expiação... Assim, o mundo de separação desaparecerá... Pois a paz é o reconhecimento da pureza perfeita, da qual ninguém está excluído. Dentro de seu círculo santo estão todos que Deus criou como seu Filho." [2, pág. 282-283; tradução nossa].
 
 
Essas afirmações absurdas me fazem lembrar as sábias palavras do autor cristão Ray Yungen: "Satanás não está apenas tentando atrair as pessoas para o lado negro de um conflito bem versus mal. Na verdade, está tentando eliminar completamente o abismo que existe entre ele e Deus, entre o bem e o mal." [6].
 
Mas Deus diz: "Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas? Por isso saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor." [2 Coríntios 6:14-18].
"Tudo o que eu te ordeno, observarás para fazer; nada lhe acrescentarás nem diminuirás." [7] [Deuteronômio 12:32].
 
 

Perdão Incondicional

Os dois livros mostram um tipo corrompido de perdão — o jeito do mundo de promover unidade e restauração longe da cruz. Mack não apenas aprende a "perdoar" a todos que o magoaram, ele também perdoa a "Deus". Como se Deus tivesse feito algo de errado!
 
Seguindo a mesma linha, o 'Jesus' de Um Curso em Milagres oferece uma amostra de teologia distorcida:
 
 
"Perdoe, e você verá isso diferentemente... Essas são as palavras que terminam com a ilusão de pecado, e livram a mente do medo. Essas são as palavras pelas quais a salvação chega a todo o mundo." [8].
 
 
Pode parecer muito amoroso afirmar salvação universal por meio do perdão humano. Mas isso não é bíblico! Esse falso 'Jesus' se afastou completamente da Palavra de Deus — a Palavra viva que é o verdadeiro Jesus (João 1:14). Qualquer um que chame a si mesmo de "Jesus", mas que rejeita essa Palavra, é falso!
Nosso Deus é Juiz e também é Amor. Como Ele também é Soberano e Santo, precisa lidar com a realidade do pecado.
 
 O pecado não pode simplesmente ser posto de lado ou justificado. A salvação é somente por meio da cruz bíblica, apesar das negações de Um Curso em Milagres e as enganações de A Cabana. Temos parte na expiação feita por Cristo (não uma expiação da Nova Era) por meio da fé bíblica, não por pressuposições positivas.
 
"Se alguém vos anunciar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema. Porque, persuado eu agora a homens ou a Deus? ou procuro agradar a homens? Se estivesse ainda agradando aos homens, não seria servo de Cristo." [Gálatas 1:9-10].
 
Um processo evolutivo esconde a verdade imutável"
 
"Há um novo mundo que está surgindo..." escreve Tamara Hartzell, autora de In The Name of Purpose ('Em Nome do Propósito'). "Esse novo mundo é contra a verdade, contra o Senhor Jesus Cristo e contra Deus. Sua ascensão está ocorrendo por meio do poder e autoridade e enganação do deus deste mundo (o anjo de luz), que seduzirá facilmente as massas preparadas espiritualmente a adorar a ele e ao seu Enviado." [9; tradução nossa].
 
A relatório esclarecedor dela sobre "A Arca da Unidade da Nova Era" nos dá um resumo dessa crescente enganação:
  • O relativismo está substituindo a verdade;
  • O mundanismo está substituindo a santidade;
  • O Novo Evangelho de paz com o mundo por meio da unidade está substituindo o Evangelho original de paz com Deus por meio do Senhor Jesus Cristo;
  • A Nova Espiritualidade está substituindo a fé verdadeira que vem da Palavra de Deus;
  • A união na diversidade por meio dessa unidade está substituindo a salvação pelo Senhor Jesus Cristo;
  • O diálogo em busca da união e experiências espirituais estão substituindo a Palavra de Deus. [9].
Não é surpresa que apenas poucos cristãos percebem ou resistem a esse processo. Desde que John Dewey e Julian Huxley começaram a substituir a aprendizagem factual pela socialização subjetiva, nossa capacidade de discernir o erro foi afetada. Como Donna Garned disse: "Agora temos duas décadas de pessoas que passaram por uma doutrinação." [10].
 
Líderes dentro e fora das igrejas descobriram que experiências de grupos facilitados criam novas percepções, que produzem sentimentos correspondentes que estabelecem novas crenças. Esses passos são essenciais para a mudança. O "Deus" de A Cabana concorda:
 
"Os paradigmas afetam a percepção e percepções afetam as emoções... Portanto, verifique nossas percepções e, além disso, verifique a autenticidade de seus paradigmas — aquilo em que você acredita." [1, pág. 197].
 
"... religião se preocupa em ter as respostas certas... [ao contrário] Eu me preocupo com o processo que leva você à resposta viva." [1, pág. 198].
 
"Você não pode visualizar em sua mente algo que não pode experimentar." [1, pág. 201].
 
"É impossível não acreditar no que você vê", diz o 'Jesus' de Um Curso em Milagres, "mas é igualmente impossível ver aquilo em que você não acredita. As percepções são construídas sobre experiências, e a experiência leva às crenças. Quandos as crenças são fixadas, as percepções se estabilizam. Então, de fato, você vê aquilo em que acredita." [2, pág. 207].
 
Assim como outras experiências virtuais, ler A Cabana desperta a imaginação das pessoas ingênuas. O livro implanta percepções que moldam novas crenças nas "mentes abertas". O que poucos percebem é que o fim desse processo será um pouco parecido com a história do Pinóquio. O tentador cruel prometera a Pinóquio todos os tipos de diversão e comida na "Terra dos Brinquedos". Mas quando chegou lá, ele se transformou em um burro e em um escravo.
 
No meio das enganações mortais de hoje, o Deus verdadeiro oferece esperança:
"Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sereis meus discípulos; E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará." [João 8:31-32].
 
Leia também: N2302, "A Cabana e o Fermento da Nova Era"
 

Notas Finais

1. William Young, A Cabana (Windblown Media, 2007), http://www.theshackbook.com/
2. Um Curso em Milagres, "ditado" por um espírito-guia demoníaco que se auto entitulava 'Jesus' (Foundation for Inner Peace, 1976), pág. 149.
3. Roger Oakland, "My Trip to the Rethink Conference," janeiro de 2008, http://www.understandthetimes.org/commentary/c73.shtml
4. Um Curso em Milagres, O Que É Pecado?, em http://acim.home.att.net/workbook250a.html
5. Um Curso em Milagres, Livre da Culpa, em http://acim.home.att.net/text-13-11.html
6. Ray Yungen, A Time of Departing (Silverton, OR: Lighthouse Trails Publishing Company, 2002) pág. 101.
9. Tamara Hartzell, "Você está sendo levado 'pelo erro dos íniquos' à Arca da Unidade da Nova Era?" fevereiro de 2008.


Autora: Berit Kjos (Kjos Ministries, em http://www.crossroad.to/)
Tradução: Marcelo N. Motta, Blog PensandoBiblicamente

Um comentário:

  1. Postei o presente texto pois achei muito interessante o asunto!

    ResponderExcluir