Follow by Email

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Química: Conheça o Listerine

O EMBALSAMADOR – Timol
É o coração do enxaguante: destrói as membranas celulares das bactérias que formam a placa. A fonte dele é insuspeita: orégano. Mas a coisa é tão eficaz contra micro-organismos que os egípcios antigos usavam timol para embalsamar seus mortos.
O DESTRUIDOR DE ÁLCOOL – Fórmula secreta
O álcool aqui é “desnaturado”. Continua sendo álcool do mesmo jeito, mas leva uma mistura de elementos químicos que torna insuportável beber a coisa – isso é comum em qualquer produto que leve álcool e não seja vendido no bar. A fórmula desnaturadora aqui é secreta, mas sabe-se que os outros ingredientes do Listerine, como o timol, já fazem boa parte desse trabalho.
O BETO BARBOSA – Sorbitol
“Adocica, meu amor, adocica.” A mulher do inventor do Listerine deve ter dito isso para ele algum dia – o enxaguante original, dos anos 20, era azedo. Natural: ninguém iria colocar açúcar num produto para a saúde da boca. Mas vieram os adoçantes, como o sorbitol aqui (feito a partir de açúcar, mas que não dá cárie). Aí foi só correr para o abraço.
O AR-CONDICIONADO – Mentol
O óleo de menta trapaceia seus nervos. Quando os sensores da boca entram em contato com ele, mandam uma mensagem errada para o cérebro: dizem que o líquido está mais frio do que realmente é. Esse engano neuronal dá origem à sensação de frescor na boca. Outro instinto nosso diz que frescor é a mesma coisa que limpeza.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário