Follow by Email

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

A Cidade Perdida do Manuscrito 512



Abrigado na Biblioteca Nacional-RJ, encontra-se o documento que representa um dos maiores enigmas arqueológicos do Brasil. Trata-se do Manuscrito 512, que contém o relato de um grupo de bandeirantes que encontrou em meados do século XVIII as ruínas de uma misteriosa cidade perdida no interior da Bahia.



manuscrito 512

Manuscrito 512, da Biblioteca Nacional - RJ





Encontrado por acaso em 1839 por um jovem erudito, Manoel Ferreira Lagos (1816 – 1871) na então Biblioteca da Corte (atual Biblioteca Nacional-RJ) e posteriormente publicado pelo IHGB, o documento traz o subtítulo: Relação histórica de uma occulta e grande povoação antiquissima sem moradores, que se descobriu no anno de 1753.

Oscilando entre uma narrativa com detalhes ora precisos, ora poéticos, o documento descreve as características da cidade em detalhes. Os bandeirantes que sairam de São Paulo se depararam com uma cordilheira cujas montanhas eram tão altas que
“pareciam que chegavam à
região etérea, e que serviam de trono ao vento, às próprias estrelas”.
A entrada era formada por três arcos de grande altura, com inscrições que não puderam então decifrar. No fim da rua principal, havia uma praça, onde se erguia uma coluna de pedra negra, em cujo topo havia uma estátua de “um homem comum, com a mão no quadril esquerdo e o braço direito estendido, mostrando com o dedo indicador o Pólo Norte. As casas da região estavam abandonadas, sem nenhum móvel ou vestígio de presença humana recente. Haviam detalhes que remetiam a civilizações antigas, como uma fonte e um pátio com colunas circulares em cada uma das 15 habitações que circundavam um grande salão.



ruínas de igatu

Ruína de Igatu-BA, que alguns acreditam ser a cidade perdida





Pablo Villarrubia Mauso, que fez uma expedição em busca da cidade perdida para a revista Sexto Sentido, acredita tê-la encontrado em Igatú, município de Andaraí, em plena Chapada Diamantina, no Estado da Bahia, seguindo orientação do explorador alemão Heinz Budweg, que afirma que as ruínas são fruto de construções vikinks do ano 1000. Outra hipótese diferente é do linguista e explorador Luis Caldas Tibiriçá. Segundo ele,


“Alguns edifícios assemelham-se aos da Idade Média da Etiópia. As
inscrições encontradas poderiam ser do idioma gueez, dos etíopes, os
mesmos que, em suas crônicas, falavam de terras distantes que alcançaram
com suas embarcações”




Tibiriçá descarta a hipótese das ruínas serem antigas construções dos próprios nativos indígenas.



Alvo de muitas controvérsias, o documento ainda gera muitas especulações. Não se sabe ao certo a origem da cidade descrita no manuscrito, sua exata localização e quem foram seus habitantes, nem o seu fim. Ficou apenas o relato, e algumas hipóteses que ainda precisam ser devidamente comprovadas.


fontes:

Para ler o documento original em alta resolução: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/d/d8/Manuscrito_512_01.jpg

http://www.revistasextosentido.net/news/a-cidade-perdida-do-manuscrito-512/

http://pt.wikipedia.org/wiki/Manuscrito_512

Para ler a transcrição do documento na íntegra:
http://pt.wikisource.org/wiki/Manuscrito_512

Nenhum comentário:

Postar um comentário