Follow by Email

terça-feira, 10 de abril de 2012

Intellivision, EU TIVE UM!

Mattel Intellivision (1979)

intellivision2

É inegável que a segunda geração dos vídeo games teve como uma das principais características a confecção de consoles em qualquer quintal – fazer dinheiro com esse tipo de coisa era algo comum. Todos queriam jogar, todos queriam se divertir. Para tanto bastava um pouco de dinheiro, algum conhecimento em circuitos eletrônicos e saber programar em BASIC.
Aproveitando-se da boquinha da indústria na época, a Mattel resolveu entrar para o mercado de vídeo games com o Intellivision (Intelligent Television) por meio de sua subdisiária Mattel Electronics em 1979. Lançado oficialmente em 1980, o console contava inicialmente com 12 jogos e vendeu 200 mil unidades em tempo recorde. A promessa era a mesma de todos os consoles da época – ser melhor e acabar com o Atari 2600.
Campanha publicitária do Intellivision - Video Game BrasilDe fato o Intellivision foi um excelente console – apresentava melhores gráficos e maior resolução (160×92 pixels com 16 cores e 8 sprites) que seu concorrente da Atari e seu processador, mesmo que primitivo, era mais poderoso que o de todos os consoles da época, sendo o primeiro processador 16 bits da história. Inclusive as campanhas de publicidade da Mattel para promover o console eram agressivas ao extremo – na campanha conhecida por “I didn’t know” um sujeito chamado George Plimpton, também conhecido por “Mr. Intellivision”, colocava duas televisões lado a lado, uma com um jogo do Atari e outra com o do Intellivision para que os expectadores pudessem fazer a comparação entre os dois consoles.



Os jogos fizeram um tremendo sucesso – eram bem trabalhados, davam a impressão que eram em 3D, tinham sons muito bons e eram melhores que os do Atari. De fato o Intellivision foi uma ameaça para o Atari 2600 – muitos o consideram como o console que mais ameaçou o “rei da cocada preta” da época, mas a Mattel deslizou em vários aspectos.
Congo Bongo da Sega para Intellivision - Vídeo Game Brasil Beauty and the Beast para Intellivision - Vídeo Game Brasil Bugertime para Intellivision - Vídeo Game Brasil Donkey Kong da Nintendo para Intellivision - Vídeo Game Brasil Frogger da Konami para Intellivision - Vídeo Game Brasil SuperCobra da Konami em conversão da Parker Brothers para Intellivision - Vídeo Game Brasil

450px-Intellivision_controller  Muitos consumidores ficavam frustrados com o controle de péssima ergonomia e muito fáceis de serem quebrados. Isso não fugia muito à regra na época, já que 99% dos consoles traziam controles horrorosos que hoje em dia não conseguimos imaginar como o pessoal conseguia jogar neles. Outra coisa que contribuiu para que o console topa-se foi a promessa de um periférico conhecido porKeyboard Component que prometia transformar o vídeo game em um verdadeiro computador pessoal, expandindo sua memória para 64K, um drive de fita cassete para armazenamento de dados e uma conexão para impressoras térmicas de 40 colunas. Além disso o periférico prometia trazer um processador a parte para lidar com as funções extras do dispositivo e um slot de cartucho extra para que o jogador pudesse jogar seus jogos enquanto o periférico estivesse acoplado no console (era acoplado na entrada de cartuchos dele).
O periférico Keyboard Component que nunca foi lançadoO fato é que muita gente comprou o console contando com essa promessa que nunca saiu oficialmente para venda no mercado devido a seu preço de produção elevadíssimo. Inclusive isso deu uma confusão danada com a Federal Trade Commission (Comissão Federal de Comércio) dos EUA que desconfiaram de uma possível má fé da Mattel em ficar anunciando o periférico e sempre adiá-lo quando a data de lançamento estava próxima. Multados em 10.000 dólares por dia enquanto não lançassem o periférico, a Mattel acabou desistindo dele em 1982, deixando milhões de pessoas frustradas.
Mesmo com o fracasso do Keyboard Component, a Mattel ainda trouxe outros periféricos como o Entertainment Computer System, uma versão bem mais modesta e barata do Keyboard Component, o Intellivoiceque introduzia vozes a alguns jogos acoplados a ele, o System Charge que permitia jogar jogos do Atari 2600 no Intellivision e o Play Cable que possibilitava aos gamers fazerem download de jogos sob demanda via TV a Cabo.

 Entertainment Computer System para Intellivision - Vídeo Game BrasilIntellivoice para Intellivision - Vídeo Game BrasilSystemchanger para Intellivision - Vídeo Game BrasilPlayCable para Intellivision - Vídeo Game Brasil   

Apesar do sucesso do console e, até certa parte, dos seus periféricos, o Intellivision não suportou o baque da crise da indústria de vídeo games de 1983. Com consoles por todo o canto e jogos de todos os tipos imagináveis, o Intellivision sucumbiu levando consigo jogos bastante interessantes que não chegaram a fazer o sucesso que deveriam. O negócio deu dinheiro enquanto pôde e em 1990 a Mattel Electronics (nessa época já INTV Corp.) abandonou o mercado de consoles e de jogos, com a marca de 3 milhões de consoles vendidos e 125 jogos lançados.
No Brasil o Intellivision foi lançado em meados de 1983 pela Sharp, porém não fez muito sucesso devido ao seu elevado preço. Por aqui o mercado era dominado pelo Odyssey (o mais barato de todos) e pelo Atari 2600 (de preço intermediário). Os seus cartuchos foram produzidos pela Digitel. (TRANSCRITO DE:http://vgbrasil.wordpress.com/2009/04/10/mattel-intellivision-1979/)



Nenhum comentário:

Postar um comentário