Follow by Email

quarta-feira, 21 de março de 2012

NAZISMO, MALDADE HUMANA!


As Experiências Médicas Nazistas: Parte I

Durante a Segunda Guerra Mundial vários médicos alemães realizaram “experiências” desumanas, cruéis, e muitas vezes mortais em milhares de prisioneiros dos campos de concentração.

Quando se trata de experiências como estas, é impossível não mencionar o nome do médico Josef Mengele (foto), que  torturou e matou milhares de pessoas em nome da ciência nazista. 




Josef Mengele nasceu em Günzburg, na Alemanha, em 1911. Estudou medicina e filosofia 
na Universidade de Munique. Na Segunda Guerra, em 1942, foi condecorado por bravura militar. No ano seguinte, foi para o campo de concentração de Auschwitz como coronel-médico da SS (a tropa de elite nazista). Mandou então executar 400 mil prisioneiros, entre judeus, ciganos, gays e deficientes físicos. Os poupados da morte imediata eram enviados para o "zoológico", os barracões onde ficavam as cobaias humanas de seus experimentos. Entre eles, havia principalmente irmãos gêmeos, anões e portadores de deficiências físicas. O "anjo da morte", como foi apelidado, dissecava anões vivos a fim de provar serem fruto da excessiva miscigenação de raças, amputava pernas e braços de crianças para tentar sem sucesso regenerá-los, e jogava prisioneiros em água fervente para ver o quanto suportavam.

Era fascinado por gêmeos. Injetava o sangue de um em outro, de tipo sanguíneo diferente, para ver a reação. Jogava corante em seus olhos, para ver se eles iam mudar suas cores , mas só provocava infecções ou cegueira, e também literalmente costurar gêmeos em conjunto para tentar criar gêmeos siameses.

Dos 3 mil gêmeos que entraram em Auschwitz, só 183 sobreviveram.

Agora vejamos outras experiências realizadas durante este período que foi tão difícil para o mundo. (As experiências a seguir não foram realizadas, necessariamente por Mengele.)


Experimentos sobre Congelamento

 

Em 1941, a Luftwaffe conduziu experimentos para aprender como tratar a hipotermia. O estudo forçou pessoas a ficarem em um tanque de água gelada por até três horas. Outros estudo colocaram prisioneiros nus em campo aberto durante várias horas com temperaturas abaixo de zero. O experimentadores avaliaram diferentes formas de reaquecimento dos sobreviventes

Os experimentos de congelamento eram divididos em duas partes. Em primeiro lugar, 

para determinar quanto tempo seria necessário para baixar a temperatura corporal até a morte, e segundo, qual a melhor forma de reanimar a vítima congelada. método do cubo gelado provou ser o meio mais rápido para a queda da temperatura corporal. As seleções para os experimentos eram feitas entre jovens saudáveis judeus e russos. Eles estavam 
nus e preparados para o experimento. Uma sonda que mede a diminuição da temperatura corporal era inserido no reto. A sonda foi mantida no lugar por um anel metálico expansível, que foi ajustada para abrir dentro do reto para segurar a sonda firmemente 
no lugar. A vítima foi colocada em um uniforme da força aérea, e depois colocada na 
poça de água fria e começava a congelar.


Experimentos sobre Malária

 

Em torno de fevereiro de 1942 e abril de 1945, experimentos foram realizados no Campo de concentração de Dachau, a fim de investigar imunização para o tratamento da malária. Detentos saudáveis foram infectados pelo mosquito ou por injeções de extratos de glândulas mucosas das fêmeas de mosquitos infectados. Depois de contraírem a doença, estas pessoas foram tratadas com várias drogas para testar sua relativa eficiência. Mais de 1.000 pessoas foram utilizadas nesses experimentos, e desses, mais da metade morreu como resultado.


Experimentos sobre gás mostarda

 

Diversas vezes entre setembro de 1939 e abril de 1945, experimentos foram conduzidos em Sachsenhausen, Natzweiler, e outros campos para investigar o tratamento mais eficaz das feridas causadas por gás mostarda. Pessoas foram deliberadamente expostas à gás mostarda e outros gases, o que causava graves queimaduras químicas. As vítimas feridas foram então testadas para encontrar o tratamento mais eficaz para as queimaduras de gás mostarda.


Experimentos sobre Sulfonamida

 

Em torno de julho de 1942 e setembro de 1943, experimentos para investigar a eficácia da sulfonamida, um agente antimicrobiano sintético, foram realizadas em Ravensbrück. Indivíduos foram infectados com bactérias como a Streptococcusgangrena gasosa e Clostridium tetani (que provoca o tétano).

A circulação sangüínea foi interrompida pelo fato de terem sido feitas feridas nos vasos sangüíneos nas suas duas extremidades para criar uma condição semelhante à feridas de um campo de batalha. A infecção foi agravada por ter sido colocada depois quantidades de madeira e vidro fosco nas feridas. A infecção foi tratada com sulfonamida e outras drogas, para determinar a sua respectiva eficácia.


Experimentos sobre a água do mar

 

Em torno de julho de 1944 e de setembro de 1944, experimentos foram realizados no Campo de concentração de Dachau para estudar vários métodos de tornar a água do mar potável. Em certo momento, um grupo de cerca de 90 ciganos foram privados de comida e água, sendo dada de beber somente água do mar pelo Dr. Hans Eppinger, deixando-as gravemente feridos. Eles ficaram tão desidratados que lambiam os pisos recém-lavados, numa tentativa de obter água potável.


Experimentos sobre Esterilização 

 

Em torno de março de 1941 e janeiro de 1945, foram conduzidos experimentos sobre esterilização em Auschwitz, Ravensbrück, e outros lugares pelo Dr. Carl Clauberg. O objetivo desses experimentos foi desenvolver um método de esterilização que seria adequado para esterilizar milhões de pessoas com o menor tempo e esforço possíveis. Esses experimentos foram realizados por meio de raios-X, cirurgias e diversas drogas. Milhares de vítimas foram esterilizadas. Além desses experimentos, o governo nazista esterilizou cerca de 400.000 pessoas, como parte de seu programa de esterilização obrigatório.


Especula-se que injeções intravenosas foram utilizadas para conter iodo e nitrato de prata e que foram bem sucedidas, mas tiveram efeitos colaterais indesejados, como sangramento vaginal, dor abdominal grave e câncer do colo uterino.

Porém, a radiação era o tratamento favorito para a esterilização. A exposição de pessoas à radiação destruia sua capacidade para produzir óvulos ou espermatozóides. A radiação foi administrada enganando os presos, estes eram levados para uma sala e pedia-se o preenchimento de formulários, que levava dois a três minutos. Alguns eram submetidos a seções de raio X, mais na realidade estavam sendo expostos a radiação. O tratamento de radiação era administrado sem o conhecimento dos presos, tornando-os completamente estéreis. Muitos sofreram graves queimaduras por radiações.


Experimentos com tifóide

 

Em dezembro de 1941 até fevereiro de 1945, experimentos foram conduzidos para investigar a ineficácia dos pontos com febre e outras vacinas. Em Buchenwald, uma grande quantidade de detentos saudáveis foram deliberadamente infectados com a bactéria do tifo para manter as bactérias vivas; Mais de 90% das vítimas morreram.

Outros detentos saudáveis foram usados para determinar a ineficácia das vacinas e um número de diferentes produtos químicos. No decorrer desses experimentos, 75% dos detentos foram vacinados ou alimentados com uma das substâncias químicas e, após um período de três a quatro semanas, foram infectados com germes de febre com pontos. Os restantes 25% foram infectados, sem qualquer protecção prévia para comparar a ineficácia das vacinas e produtos químicos. Centenas de indivíduos morreram. Foi também realizado experimentos com a febre amarela, a varíola, tifo, paratifo A e B, cólera e difteria. Similar experimentos foram realizados com resultados semelhantes em Natzweiler


Experimentos com venenos

 

Em torno de dezembro de 1943 e outubro de 1944, experimentos foram conduzidos em Buchenwald para investigar o efeito de diferentes venenos. Os venenos foram administrados secretamente na alimentação de indivíduos. As vítimas morreram em consequência do envenenamento ou foram sacrificadas imediatamente, a fim de permitir autópsias. Em setembro de 1944, eram disparadas balas venenosas contra os presos, que após a tortura, faleciam.


Experimentos com Bombas Incendiárias

  

Por volta de novembro de 1943 e janeiro de 1944, experimentos foram conduzidos em Buchenwald para testar o efeito de vários preparados farmacêuticos de fósforo. Estas queimaduras foram infligidas a prisioneiros com fósforo extraído de bombas incendiárias.

 

Experimentos de altas altitudes

 

No início 1942, os prisioneiros do Campo de concentração de Dachau foram utilizados por Rascher em experiências com pilotos alemães, que se ejetava em altas altitudes. A baixa pressão contendo esses prisioneiros era utilizada para simular as condições a altitudes de até 20 km (66.000 pés). Havia rumores que Rascher realizada visseções no cérebro das vítimas que sobreviam ao experimento inicial. Das 200 vítimas, 80 morreram nos experimentos, e os outros foram executados.

Uma vítima das experiências médicas nazistas. Foto tirada no campo de concentração de Buchenwald, Alemanha, data indeterminada.
— United States Holocaust Memorial Museum
Herta Oberhauser, que foi médica no campo de concentração de Ravenbrueck, é sentenciada no Julgamento dos Médicos em Nuremberg. Oberhauser foi considerada culpada por realizar experiências médicas nos prisioneiros dos campos e foi sentenciada a 20 anos de prisão. Nuremberg, Alemanha, 20 de agosto de 1947.
— National Archives and Records Administration, College Park, Md.
A sobrevivente do campo de concentração Jadwiga Dzido mostra a perna com cicatrizes para a Corte de Nuremberg enquanto um médico explica a natureza dos procedimentos infligidos nela no campo de concentração de Ravensbrück em 22 de novembro de 1942. As experiências médicas, incluindo injeções de bactérias altamente potentes, foram realizadas pelos réus Herta Oberheuser e Fritz Ernst Fischer. 20 de dezembro de 1946.
— National Archives and Records Administration, College Park, Md.
Foto da perna desfigurada de uma sobrevivente de Ravensbrueck usada para a investigação dos crimes de guerra. Helena Hegier (Rafalska) foi sujeita a experiências médicas em 1942. Esta fotografia foi requisitada como evidência para a acusação no Julgamento dos Médicos em Nuremberg. As cicatrizes da desfiguração são resultado das incisões feitas por equipes médicas e que eram propositalmente infectadas com bactérias, sujeira e cacos de vidro.
— DIZ Muenchen GMBH, Sueddeutscher Verlag Bilderdienst


Eduard, Elisabeth, e Alexander Hornemann. Os meninos, vítimas de experiências médicas com tuberculose no campo de concentração de Neuengamme, foram assassinados pouco tempo antes da liberação. Elisabeth morreu de tifo em Auschwitz. Holanda, pré-guerra.
— Guenther Schwarberg
Jacqueline Morgenstern, 7 anos de idade, mais tarde uma vítima de experiências médicas com tuberculose no campo de concentração de Neuengamme. Ela foi assassinada pouco antes da libertação do campo. Paris, França, 1940.
— Guenther Schwarberg
Cigano vítima das experiências médicas nazistas para transformar água marinha em água potável. Campo de concentração de Dachau, Alemanha, 1944.
— National Archives and Records Administration, College Park, Md
Equipe médica executa experiências em um prisioneiro no campo de concentração de Buchenwald. Buchenwald, Alemanha, data indeterminada.
— La Documentation Francaise



Read more: http://conteudoagridoce.blogspot.com/2011/07/as-experiencias-medicas-nazistas.html#ixzz1pnPzu5Qw
 

As Experiências Médicas Nazistas

jo 




Durante a Segunda Guerra Mundial vários médicos alemães realizaram “experiências” desumanas, cruéis, e muitas vezes mortais em milhares de prisioneiros dos campos de concentração. Estas “experiências médicas” imorais, realizadas durante o Terceiro Reich, podem ser divididas em três categorias: 

A primeira categoria consiste em experiências que tinham por finalidade facilitar a sobrevivência dos militares do Eixo. Em Dachau, médicos da força aérea alemã e da Instituição Experimental Alemã da Aviação realizaram experimentos sobre reações à alta altitude, usando câmaras de baixa pressurização, para determinar a altitude máxima da qual as equipes de aeronaves danificadas poderiam saltar de pára-quedas, em segurança. Os cientistas alemães também realizaram experiências de congelamento, utilizando os prisioneiros como cobaias para descobrir um método eficaz de tratamento para a hipotermia. Também os utilizaram para testar vários métodos de transformação da água marinha em água potável.
A segunda categoria de experiências tinha por objetivo desenvolver e testar medicamentos, bem como métodos de tratamento para ferimentos e enfermidades que os militares e a equipe de ocupação alemã encontravam no campo. Nos campos de concentração de Sachsenhausen, Dachau, Natzweiler, Buchenwald e Neuengamme, os cientistas testaram agentes imunizantes e soros para prevenir e tratar doenças contagiosas como a malária, o tifo, a tuberculose, a febre tifóide, a febre amarela e a hepatite infecciosa, inoculando os prisioneiros com tais doenças. O campo de Ravensbrueck foi o local de experiências cruéis com enxertos ósseos, e onde testaram a eficácia de um novo medicamento desenvolvido, a sulfa (sulfanilamida), às custas das vidas dos prisioneiros. Em Natzweiler e Sachsenhausen, os prisioneiros foram sujeitos aos perigosos gases fosgênio e mostarda, com o objetivo de testar possíveis antídotos.
A terceira categoria de experiências “médicas” buscava aprofundar os princípios raciais e ideológicos da visão nazista. As mais infames foram as experiências feitas por Josef Mengele, em Auschwitz, que utilizou gêmeos, crianças e adultos, de forma inumana, e que também coordenou experiências sorológicas em ciganos, tal como fez Werner Fischer, em Sachsenhausen, para determinar como as diferentes "raças" resistiam às diversas doenças contagiosas. As pesquisas desenvolvidas por August Hirt, na Universidade de Strasbourg, tentaram confirmar a pretensa inferioridade racial judaica.
Outras experiências repugnantes tinham por meta facilitar os objetivos raciais nazistas, com uma série de experiências de esterilização, realizadas principalmente em Auschwitz e Ravensbrueck. Lá, os” cientistas” testaram diversos métodos, com o objetivo de desenvolver um procedimento eficaz e barato de esterilização em massa de judeus, ciganos, e outros grupos considerados pelos nazistas como racial ou geneticamente indesejáveis.
Algumas Vítimas:
Uma vítima das experiências médicas nazistas. Foto tirada no campo de concentração de Buchenwald, Alemanha, data indeterminada.
Uma vítima das experiências médicas nazistas. Foto tirada no campo de concentração de Buchenwald, Alemanha, data indeterminada.
Equipe médica executa experiências em um prisioneiro no campo de concentração de Buchenwald. Buchenwald, Alemanha, data indeterminada.
Equipe médica executa experiências em um prisioneiro no campo de concentração de Buchenwald. Buchenwald, Alemanha, data indeterminada.
Vítima de uma experiência "médica" nazista sendo forçada dentro de um recipiente com água quase congelada gelada no campo de concentração de Dachau. O monstruoso "médico" das SS, Sigmund Rascher, supervisiona a experiência. Alemanha, 1942.
Vítima de uma experiência "médica" nazista sendo forçada dentro de um recipiente com água quase congelada gelada no campo de concentração de Dachau. O monstruoso "médico" das SS, Sigmund Rascher, supervisiona a experiência. Alemanha, 1942.
Foto de um prisioneiro durante um "experimento médico", em uma câmara de compressão, para determinar qual a altitude que a tripulação de um avião [nazista]poderia sobreviver sem oxigênio. No momento da foto ele havia perdido a consciência, vindo a falecer em seguida.  Dachau, Alemanha, 1942.
Foto de um prisioneiro durante um "experimento médico", em uma câmara de compressão, para determinar qual a altitude que a tripulação de um avião [nazista]poderia sobreviver sem oxigênio. No momento da foto ele havia perdido a consciência, vindo a falecer em seguida. Dachau, Alemanha, 1942.
Cigano vítima das experiências médicas nazistas para transformar água marinha em água potável. Campo de concentração de Dachau, Alemanha, 1944.
Cigano vítima das experiências médicas nazistas para transformar água marinha em água potável. Campo de concentração de Dachau, Alemanha, 1944.
Cigano vítima das experiências médicas nazistas para transformar água marinha em água potável. Campo de concentração de Dachau, Alemanha, 1944.
Cigano vítima das experiências médicas nazistas para transformar água marinha em água potável. Campo de concentração de Dachau, Alemanha, 1944.
Prisioneiro de guerra soviético, vítima de uma experiência "médica" nazista sobre tuberculose, no campo de concentração de Neuengamme. Alemanha, final de 1944.
Prisioneiro de guerra soviético, vítima de uma experiência "médica" nazista sobre tuberculose, no campo de concentração de Neuengamme. Alemanha, final de 1944.
Foto de uma criança judia forçada a fotografar a cicatriz deixada pelos "médicos" das SS que retiraram seus nódulos linfáticos. Ela foi uma das 20 crianças judias injetadas com germes da tuberculose como parte de uma "experiência médica". Todas foram elas assassinadas no dia 20 de abril de 1945. Campo de concentração de Neuengamme, Alemanha.  Foto tirada entre dezembro de 1944 e fevereiro de 1945.
Foto de uma criança judia forçada a fotografar a cicatriz deixada pelos "médicos" das SS que retiraram seus nódulos linfáticos. Ela foi uma das 20 crianças judias injetadas com germes da tuberculose como parte de uma "experiência médica". Todas foram elas assassinadas no dia 20 de abril de 1945. Campo de concentração de Neuengamme, Alemanha. Foto tirada entre dezembro de 1944 e fevereiro de 1945.
Jacqueline Morgenstern, 7 anos de idade, mais tarde uma vítima de experiências médicas com tuberculose no campo de concentração de Neuengamme. Ela foi assassinada pouco antes da libertação do campo. Paris, França, 1940.
Jacqueline Morgenstern, 7 anos de idade, mais tarde uma vítima de experiências médicas com tuberculose no campo de concentração de Neuengamme. Ela foi assassinada pouco antes da libertação do campo. Paris, França, 1940.
Foto da perna desfigurada de uma sobrevivente de Ravensbrueck usada para a investigação dos crimes de guerra. Helena Hegier (Rafalska) foi sujeita a experiências médicas em 1942. Esta fotografia foi requisitada como evidência para a acusação no Julgamento dos Médicos em Nuremberg. As cicatrizes da desfiguração são resultado das incisões feitas por equipes médicas e que eram propositalmente infectadas com bactérias, sujeira e cacos de vidro.
Foto da perna desfigurada de uma sobrevivente de Ravensbrueck usada para a investigação dos crimes de guerra. Helena Hegier (Rafalska) foi sujeita a experiências médicas em 1942. Esta fotografia foi requisitada como evidência para a acusação no Julgamento dos Médicos em Nuremberg. As cicatrizes da desfiguração são resultado das incisões feitas por equipes médicas e que eram propositalmente infectadas com bactérias, sujeira e cacos de vidro.
A sobrevivente do campo de concentração Jadwiga Dzido mostra a perna com cicatrizes para a Corte de Nuremberg enquanto um médico explica a natureza dos procedimentos infligidos nela no campo de concentração de Ravensbrück em 22 de novembro de 1942. As experiências médicas, incluindo injeções de bactérias altamente potentes, foram realizadas pelos réus Herta Oberheuser e Fritz Ernst Fischer. 20 de dezembro de 1946.
A sobrevivente do campo de concentração Jadwiga Dzido mostra a perna com cicatrizes para a Corte de Nuremberg enquanto um médico explica a natureza dos procedimentos infligidos nela no campo de concentração de Ravensbrück em 22 de novembro de 1942. As experiências médicas, incluindo injeções de bactérias altamente potentes, foram realizadas pelos réus Herta Oberheuser e Fritz Ernst Fischer. 20 de dezembro de 1946.
Crianças, vítimas das experiências "médicas" do monstruoso Dr.Josef Mengele, em Auschwitz-Birkenau. Polônia, 1944.
Crianças, vítimas das experiências "médicas" do monstruoso Dr.Josef Mengele, em Auschwitz-Birkenau. Polônia, 1944.
Eduard, Elisabeth, e Alexander Hornemann. Os meninos, vítimas de experiências médicas com tuberculose no campo de concentração de Neuengamme, foram assassinados pouco tempo antes da liberação. Elisabeth morreu de tifo em Auschwitz. Holanda, pré-guerra.
Eduard, Elisabeth, e Alexander Hornemann. Os meninos, vítimas de experiências médicas com tuberculose no campo de concentração de Neuengamme, foram assassinados pouco tempo antes da liberação. Elisabeth morreu de tifo em Auschwitz. Holanda, pré-guerra.
Soldados soviéticos examinam uma caixa contendo veneno utilizado em experiências "médicas" nazistas. Auschwitz, Polônia.  Foto tirada depois do dia 27 de janeiro de 1945.
Soldados soviéticos examinam uma caixa contendo veneno utilizado em experiências "médicas" nazistas. Auschwitz, Polônia. Foto tirada depois do dia 27 de janeiro de 1945.
Equipe das Nações Unidas vacina uma sobrevivente de 11 anos que foi vítima de experiências médicas no campo de concentração de Auschwitz. Campo de deslocados de guerra de Bergen-Belsen, Alemanha, maio de 1946.
Equipe das Nações Unidas vacina uma sobrevivente de 11 anos que foi vítima de experiências médicas no campo de concentração de Auschwitz. Campo de deslocados de guerra de Bergen-Belsen, Alemanha, maio de 1946.
Quatro polonesas chegando à estação de trem de Nuremberg para servirem como testemunhas de acusação no "Julgamento dos Médicos". Da esquerda para a direita: Jadwiga Dzido, Maria Broel-Plater, Maria Kusmierczuk, e Wladislawa Karolewska. 15 de dezembro de 1946.
Quatro polonesas chegando à estação de trem de Nuremberg para servirem como testemunhas de acusação no "Julgamento dos Médicos". Da esquerda para a direita: Jadwiga Dzido, Maria Broel-Plater, Maria Kusmierczuk, e Wladislawa Karolewska. 15 de dezembro de 1946.
Resultado de uma experiência "médica" efetuada em um prisioneiro do campo de concentração de Buchenwald, Alemanha.  Data indeterminada.
Resultado de uma experiência "médica" efetuada em um prisioneiro do campo de concentração de Buchenwald, Alemanha. Data indeterminada.


Veja a Parte I: http://conteudoagridoce.blogspot.com/2011/07/as-experiencias-medicas-nazistas.html


Read more: http://conteudoagridoce.blogspot.com/2011/07/as-experiencias-medicas-nazistas-parte.html#ixzz1pnPixX3Q
 




FONTE: http://conteudoagridoce.blogspot.com.br/2011/07/as-experiencias-medicas-nazistas.html#axzz1pnPYDgp6

Nenhum comentário:

Postar um comentário