Follow by Email

quinta-feira, 14 de abril de 2011

O Holocausto de Dresden - Será Verdade?

Domingo, Outubro 07, 2007

O Holocausto de Dresden


Na 2ª Guerra Mundial, não há nenhum critério objetivo que pudesse deixar de fora como crimes contra a humanidade e genocídio, o uso das bombas nucleares em Hiroshima e Nagasaki, o bombardeamento de Dresden ou as violações maciças de mulheres alemãs que os soldados russos fizeram - tudo atos essencialmente contra a população civil. Se se quer encher a boca com boas palavras sobre uma justiça para todos, então na II Guerra Mundial houve crimes de guerra cometidos pelos aliados e homens como Churchill e Truman têm responsabilidades nesses crimes, já sem referir Stalin.
A Segunda Guerra Mundial estava no fim. Em 1945 Dresden não era nenhum ponto militar. Não existiam bases militares em Dresden, não era nenhum local estratégico, não existia indústria pesada, não tinha defesas aéreas, não tinha centros de comunicação importantes. Dresden era uma das mais bonitas cidades da Europa e das que tinha maior índice cultural do Velho Continente. Esta cidade era até conhecida como cidade dos refugiados e tinha sido declarada cidade hospital para os feridos da guerra. Dresden era uma das mais belas cidades da Alemanha, a capital da Saxônia era conhecida pela "Florença do Elba" devido à sua mundialmente famosa arquitetura Barroca. A economia de Dresden era sustentada, em tempo de paz, pelos seus teatros, museus, instituições culturais e indústrias artesanais, nomeadamente a cerâmica.
A sua população residente e permanente era de 630.000 pessoas, mas naquela altura a cidade estava a abarrotar de refugiados provenientes de todo o Leste mas principalmente da Prússia e da Silesia de onde fugiam aterrorizadas pelas crueldades cometidas pelos bárbaros soldados soviéticos que a isso eram incitados pelo demônio da propaganda Stalinista, o judeu Ilja Ehrenburg. Este dirigente soviético em campanhas maciças nas rádios e através de milhões de panfletos repetia constantemente perante os soldados vermelhos: "Matem, matem, matem. Ninguém é inocente. Nem os que estão vivos nem os que ainda não nasceram" ou então "se vocês, um dia, não tiverem matado pelo menos um alemão(ã) , então vocês não cumpriram o vosso dever moral para com a mãe pátria Soviética ". Churchill nas suas memórias citava o judeu Ehrenburg, na sua proclamação ao Exército bolchevista: "Os Soldados Vermelhos ardem como se fossem de palha para fazer dos alemães e da sua capital uma teia acesa da sua vingança; para vós, soldados do Exército Vermelho, soou a hora da vingança. Destroçai briosamente o orgulho racial das mulheres alemãs; tomai-as como despojo legítimo. Matai! Destruí, bravos e aguerridos soldados do Exército Vermelho".

Nesta altura os Aliados já sabiam que a Alemanha tinha perdido a guerra. Ninguém que tivesse capacidade de decisão - civil ou militar- acreditava que a Alemanha pudesse resistir, muito menos atacar, as forças Aliadas. O próprio Churchill queria pelo menos duas cidades destruídas a cada mês que passasse - até que não restasse nenhuma! O bombardeamento de Dresden só poderia ser entendido como um ato premeditado de assassínio em massa.
Assim, a 13 e 14 de Fevereiro de 1945 perto de 1200 bombardeiros Aliados (principalmente americanos e ingleses), seguidos de centenas de caças "bullet-spiting" levaram a cabo um triplo 'raid' aéreo em Dresden. O código de guerra dado a este bombardeamento foi "Clarion". O primeiro ataque dos bombardeiros começou a cair às 10 horas do dia 13 largando bombas explosivas na parte velha da cidade para destruir os telhados dos edifícios preparando assim o ataque com engenhos incendiários. O ataque seguinte trouxe o inferno transformando o centro da cidade - numa área com 3 milhas de comprimento e 2 de largura - num oceano de chamas. A temperatura do ar atingia os 1100 graus Fahrenheit. Os ventos fortes que se faziam sentir ajudaram á propagação instantânea das chamas. Centenas de milhar de pessoas eram queimadas vivas desde o primeiro ataque e continuariam a morrer até ao terceiro.

Alguns dados sobre os bombardeamentos foram tornados públicos mais tarde:

- O fumaça que saía da cidade via-se a 50 milhas de distância e a 15.000 pés de altitude.
- Mais de três terços de Dresden ficou completamente destruída em 14 horas de ataques.
- 24.866 casas desapareceram.
- 35.000 corpos foram mais tarde identificados.
- Perto de 500.000 corpos estavam irreconhecíveis, transformados numa massa amarela derretida nas ruas.
Um jornal na altura contabilizou desta maneira os mortos que não foram identificados:
- 37.000 crianças.
- 46.000 jovens em idade escolar.
- 55.000 hospitalizados, incluindo médicos, enfermeiros e pessoal hospitalar.
- 12.000 pertencentes a equipas de salvamento.
- 330.000 descritos simplesmente como "homens e mulheres".


O pedágio da morte estava desconcertando. A extensão cheia do Holocausto em Dresden pode mais prontamente ser contada perdas que vão de 250.000 até 500000 pessoas morreram dentro de um período de 14 horas, visto que estimativas daqueles que morreram na escala de Hiroshima e de Nagazaki foram de 90.000 a 140.000.
As desculpas dos aliados para o massacre têm Dresden "frequentemente comparado" com a cidade inglesa de Coventry. Mas os 380 mortos em Coventry durante a guerra inteira não podem começar a comparar com as 1.000 vezes mais que numeram quem foi massacrado em 14 horas em Dresden. Além disso, Coventry era um centro de munições, um alvo militar legítimo. Dresden, na outra mão, somente tinha produzido cigarros e remédios -- e os copos e os talheres podem mal ser considerados ferragem militar!
Este não é dizer que as montanhas dos corpos deixados em Dresden estiveram ignoradas pelo tribunal de Nuremberg. Em um ironia final, o promotores apresentaram fotografias dos mortos de Dresden como a "evidência" das atrocidades nazistas contra os judeus nos campos de concentração!

2 comentários:

  1. Se isso for verdade, então todo o resto é mentira?

    ResponderExcluir
  2. Foi verdade sim, foram usadas bombas de fósforo e as pessoas foram assadas vivas. Os americanos já fizeram 10 vezes pior que Hitler, inclusive experiências em humanos (quer dizer, em latinos que para eles são apenas baratas). Os Estados Unidos são o Império da Mentira, até a religião deles (Mórmon) é mentira. E continuam enganando todos, posando de certinhos e bonzinhos, manipulando o sistema financeiro, poluindo tudo, terra, mar e ar... mas um dia isso acaba...se Deus quiser...

    ResponderExcluir